Fúria da inflação contagia aumentos dos preços em 2023

por Viviana Chan
Dinheiro Vivo

Energia, matérias-primas, bens alimentares e serviços públicos e privados não escapam à subida generalizada do Índice de Preços no Consumidor. Salários e pensões também aumentam, mas não o suficiente para compensar o incremento dos preços. O ano de 2022 termina com uma inflação média anual de 7,8%.

IAS com a maior subida desde 2006

Indexante de Apoios Sociais (IAS) irá ter um incremento de 8,4%, isto é, passa para 480,43 euros. Esta é a maior subida desde que foi criado, em 2006. A atualização deste indexante irá refletir-se no aumento de várias prestações sociais, como propinas, pensões, subsídios de desemprego, social e de doença, entre outros apoios da Segurança Social.

Portagens com subida de 4,9%

O preço das portagens nas autoestradas vai subir 4,9%. Este é o limite decretado pelo governo, que decidiu travar o aumento com base na taxa de inflação. As concessionárias tinham proposto subidas entre 9,5 e 10,5%. Este travão vai custar cerca de 140 milhões de euros aos cofres do Estado. Na Brisa, que tem a concessão de 11 autoestradas nacionais, quase 70% das taxas de portagem de classe 1 sobem a partir de 1 de janeiro, destacando-se um aumento de 1,05 euros na A1, entre Lisboa e Porto, e de 1,10 euros na A2, entre Lisboa e o Algarve.

Leia mais em: Dinheiro Vivo

Pode também interessar

Contate-nos

Meio de comunicação social generalista, com foco na relação entre os Países de Língua Portuguesa e a China

Plataforma Studio

Newsletter

Subscreva a Newsletter Plataforma para se manter a par de tudo!