Portugal e Brasil defendem parceria estratégica para o clima entre UE e Brasil - Plataforma Media

Portugal e Brasil defendem parceria estratégica para o clima entre UE e Brasil

A União Europeia (UE) e o Brasil devem estabelecer uma “parceria estratégica para o clima” com o regresso de Lula da Silva à Presidência brasileira, defende um manifesto subscrito por personalidades portuguesas e brasileiras.

O manifesto “Clima Estável – Património Comum da Humanidade”, a que a Lusa teve acesso, considera que a “parceria estratégica entre a UE e o Brasil tendo o espaço mais vasto do Mercosul como horizonte, oferece a perspetiva de um multilateralismo renovado que privilegia as relações inter-regionais, num quadro internacional caracterizado por um enfraquecimento do multilateralismo, agravado pelas crises graves que se têm sucedido”.

O documento junta antigos governantes, deputados e eurodeputados, professores universitários, escritores, artistas plásticos e músicos e ativistas pelo clima.

No texto de apresentação do manifesto, os subscritores defendem que “as organizações da sociedade civil e os jovens ativistas do clima devem ser reconhecidos como atores importantes de um multilateralismo inclusivo e as suas preocupações com o impacto das crises climáticas sobre as comunidades socialmente discriminadas tomadas plenamente em consideração”.

Os signatários destacam que a Parceria Estratégica UE-Brasil/Mercosul deveria ser construída à volta de quatro prioridades: Definir a defesa do ambiente e biodiversidade como orientação estratégica das suas relações; Uma nova estratégia para cumprir os objetivos dos acordos de Paris; Criar um fundo UE-Mercosul para a floresta e O Clima estável como Património Comum da Humanidade.

“A vitória de Lula da Silva e o regresso do Brasil ao seu lugar indispensável na política internacional criam condições favoráveis para, a partir da questão ambiental/climática, construir uma resposta capaz, com efeitos de cascata nas mais variadas áreas, assente num multilateralismo eficaz”, defende o manifesto.

Os signatários consideram que a partir da tomada de posse do Presidente Lula da Silva, no próximo dia 01 de janeiro, “se deveriam retomar as conversações entre a UE e o Brasil, com vista à formação de uma parceria estratégica por um ambiente sustentável, que deveriam relançar também a renegociação do acordo UE-Mercosul, a partir das preocupações manifestadas dos dois lados do Atlântico”.

“Estas negociações são ainda mais importantes no novo contexto de ausência de resultados satisfatórios da [cimeira para o clima] COP27, que demonstraram até que ponto o ‘business as usual’ já não é a resposta adequada para enfrentar as ameaças ambientais e a biodiversidade, que põem em risco os sistemas de suporte à vida na Terra, quer em termos de redução de emissões, quer no abandono dos combustíveis fósseis”, acrescentam.

Entre os subscritores do manifesto figuram, pelo Brasil, o ex-chefe da diplomacia Celso Lafer, o ex-ministro das Finanças, Rubens Ricupero, o ex-ministro da Educação Renato Janine Ribeiro, a ex-ministra do Ambiente Izabella Teixeira, a atriz Zezé Mota e os ativistas indígenas Tainara Kabenba e Telma Marques Taurepang.

Do lado português, integram a lista o ex-ministro da Educação Guilherme de Oliveira Martins, o ex-ministro da Economia Luís Braga da Cruz, a ex-ministra do Trabalho Maria João Rodrigues, o eurodeputado e ex-secretário de Estado do Ambiente Carlos Pimenta, o ex-secretário de Estado dos Assuntos Europeus Francisco Seixas da Costa, o investigador Álvaro Vasconcelos, o presidente da organização ambientalista Zero, Francisco Ferreira, o ex-juiz do Tribunal de Justiça da UE José Luis Cruz Vilaça e o professor universitário Viriato Soromenho Marques.

*Com Lusa

Related posts
MundoPolítica

Costa defende ação climática com transição inclusiva sem "deixar ninguém para trás"

MundoTransportes

Cooperação internacional tem que acelerar em setores que emitem CO2

Política

ONU pede cooperação para enfrentar 'mundo em perigo'

MundoSociedade

Tufão Hinnamnor deixa um desaparecido e milhares de afetados na Coreia do Sul

Assine nossa Newsletter