Consolidação de segurança é prioridade face a “focos” de instabilidade em Cabo Delgado - Plataforma Media

Consolidação de segurança é prioridade face a “focos” de instabilidade em Cabo Delgado

O Presidente moçambicano considerou hoje que a consolidação da segurança nas zonas devastadas pelo terrorismo é a prioridade das forças governamentais, admitindo a prevalência de “focos isolados” de instabilidade em Cabo Delgado e em alguns distritos de províncias vizinhas.

“Permanecem ainda ativos focos isolados de terrorismo”, disse Filipe Nyusi, no seu discurso anual sobre o estado da nação na Assembleia da República, em Maputo.

Segundo o chefe de Estado, apesar das operações militares para a consolidação da estabilidade em áreas reconquistadas pelas forças governamentais, com apoio do Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), as autoridades registaram focos de instabilidade em vários pontos de Cabo Delgado e em alguns distritos de províncias vizinhas, com destaque para Memba e Eráti, em Nampula.

“Estes ataques provocaram mortes de inocentes e a destruição de bens de população”, lamentou o Presidente moçambicano.

Apesar dos “focos de instabilidade”, o chefe de Estado frisou que as Forças Armadas de Defesa e Segurança de Moçambique continuam em prontidão, num esforço para garantir a paz e estabilidade nos pontos reconquistados e que já recebem populações que decidiram voltar às suas zonas de origem.

“Num balanço geral, nós fomos durante 2022 consolidando a segurança nos locais afetados pelo terrorismo […] Fomos capazes de prestar a assistência humanitária a mais de um milhão de pessoas deslocadas e temos estado a assegurar o regresso voluntário das populações”, declarou Filipe Nyusi.

A província de Cabo Delgado enfrenta há cinco anos uma insurgência armada com alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

A insurgência levou a uma resposta militar desde julho de 2021 com apoio do Ruanda e da SADC, libertando distritos junto aos projetos de gás, mas surgiram novas vagas de ataques a sul da região e na vizinha província de Nampula.

O conflito já fez um milhão de deslocados, de acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), e cerca de 4.000 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED.

O parlamento moçambicano é dominado pela Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), com uma maioria qualificada de 184 dos 250 assentos que compõem a AR, seguida da Renamo, com 60, e o Movimento Democrático de Moçambique (MDM), com seis lugares.

Related posts
MoçambiqueSociedade

Exército moçambicano anuncia morte de suposto líder de terroristas

Sociedade

ONG exige responsabilização no caso de corpos queimados em Cabo Delgado

MoçambiqueSociedade

Anunciada nova operação para destruir bases rebeldes em Cabo Delgado

MoçambiqueSociedade

Encontrados mais quatro corpos sem vida em Cabo Delgado

Assine nossa Newsletter