Indústria da carne antecipa aumento de preços nos próximos meses - Plataforma Media

Indústria da carne antecipa aumento de preços nos próximos meses

O preço da carne poderá subir entre 15 a 20% até fevereiro do próximo ano. A previsão – e o alerta – é da Associação Portuguesa dos Industriais de Carnes (APIC), que adianta que a instabilidade do mercado e, em especial o preço dos cereais, estão a conduzir a uma diminuição do número de animais para consumo. “As próximas semanas serão determinantes para percebermos qual vai ser a reação do mercado à falta de animais e ao facto de estarem muito leves”, diz ao DN/Dinheiro Vivo a diretora executiva da associação, Graça Mariano.

As razões que impactam nesta subida de preços são sobejamente conhecidas – aumento do preço das matérias-primas, dos aditivos, dos materiais de embalagem, do transporte e da eletricidade e gás, o que leva os produtores a reduzir a criação animal por não ser rentável – mas agora acrescenta-se a valorização do dólar, que está a levar a China a voltar a comprar carne na Europa, expõe Graça Mariano.

Leia ainda: Bruxelas quer estudar melhor teto aos preços de gás russo importado

No mesmo sentido, e agora que o turismo abrandou e o custo de vida aumentou de forma significativa, a expectativa da APIC é que “haja um decréscimo acentuado do consumo, a rondar os 10% a 15%, o que reflete as enormes dificuldades que o setor irá atravessar no curto prazo”. Presentemente, a diminuição do cabaz de compras já é notória, com os consumidores a optarem por adquirir produtos mais económicos. “Existe uma queda de 1% do consumo de produtos à base de carne”, afirma Graça Mariano, citando os dados da Nielsen (empresa de análise de dados de consumo), acumulados até agosto.

Leia mais em Dinheiro Vivo

Related posts
ChinaEconomia

Inflação desacelera para 2,1% na China em outubro

Economia

Inflação na zona euro revista em baixa para recorde de 9,9% em setembro

EconomiaMundo

FMI avisa que situação económica “ainda vai piorar antes de melhorar”

MacauSociedade

Macau dá mil euros a cada residente para “aliviar pressão financeira”

Assine nossa Newsletter