Início » ONU quer evitar ‘acidente’ na central nuclear ucraniana

ONU quer evitar ‘acidente’ na central nuclear ucraniana

AFP

Os inspetores da ONU chegaram esta quarta-feira à área da central nuclear ucraniana em Zaporizhzhia, onde pretendem estabelecer uma “presença permanente” para “evitar um acidente” na central ocupada pelas tropas russas

“Vamos tentar estabelecer uma presença permanente da agência a partir desse momento”, disse Rafael Grossi, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), a agência nuclear da ONU.

O objetivo, conforme detalhado na cidade de Zaporizhzhia (sul da Ucrânia), a 50 quilômetros da central, é “evitar um acidente nuclear e preservar esta importante usina nuclear”, a maior da Europa, acrescentou.

A área da usina, ocupada pelas forças russas desde março, poucos dias após o início da invasão da Ucrânia, foi palco de recentes bombardeios pelos quais Ucrânia e Rússia se culpam.

Pouco antes da chegada dos inspetores, as autoridades ucranianas acusaram a Rússia de novos bombardeios em Energodar, cidade onde está localizada a usina.

A missão da AIEA, composta por 14 inspetores, planeja entrar na usina na quinta-feira.

“Estabilizar a situação”

A usina nuclear está na linha de frente da guerra, mas os inspetores da AIEA já receberam garantias de segurança de ambos os lados para inspecioná-la, informou Grossi.

“Estas operações são muito complexas: vamos para uma zona de guerra, vamos para um território ocupado”, ressaltou.

A missão do órgão de verificação da ONU passará “alguns dias” no local e informará suas conclusões quando retornar à sua sede em Viena.

“Temos uma missão muito, muito importante a cumprir lá, avaliar a situação real, ajudar a estabilizar a situação o máximo possível”, disse Grossi em Kiev, antes de partir para Zaporizhzhia.

Contraofensiva no sul

A visita coincide com um aumento dos combates na região próxima de Kherson e na bacia de mineração do Donbas (leste).

A maior parte da região de Kherson e sua capital foram capturadas no início do conflito pelas tropas russas que avançavam da península da Crimeia, anexada por Moscou em 2014.

As tropas ucranianas lançaram uma contraofensiva na frente sul na segunda-feira, um movimento previsto por analistas em meio à estagnação do conflito no Donbass, parcialmente controlado por forças pró-Rússia.

Em Bereznehuvate, cerca de 70 quilômetros ao norte da cidade de Kherson, repórteres da AFP ouviram disparos de artilharia e viram soldados descansando à beira de uma estrada.

O Ministério da Defesa russo disse na terça-feira que a Ucrânia sofreu uma “derrota” em seu contra-ataque no sul, perdendo 1.200 soldados e 150 veículos militares.

UE endurece regime de vistos para russos

Os ministros da Defesa da União Europeia (UE) começaram a planejar na terça-feira em Praga um programa de treinamento para soldados ucranianos.

“Há muitas iniciativas, mas as necessidades são enormes”, disse o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, esperando “um acordo político geral e global” sobre o assunto.

Mais complicado é o consenso sobre uma proposta para proibir os viajantes russos de entrar nos países da UE.

Os ministros das Relações Exteriores do bloco concordaram nesta quarta em suspender um mecanismo de 2007 que facilitava os vistos de turismo aos russos, embora não tenham se movido em direção a uma proibição mais ampla.

De qualquer forma, a medida tornará “mais difícil” e “mais longa” para os cidadãos russos obterem permissões para entrar na UE, disse Borrell.

“A questão da limitação dos vistos europeus para cidadãos russos deve ser resolvida de uma vez. Parece humilhante para a Europa ser considerada apenas como uma grande loja ou um grande restaurante. A Europa é antes de tudo um território de valores, não de consumo primitivo”, comentou em sua mensagem noturna o presidente ucraniano, Volodimir Zelensky.

A Rússia, por sua vez, está pressionando a UE ao reduzir suas exportações de gás, o que provocou um novo aumento nos preços da eletricidade.

A Rússia suspendeu novamente a partir desta quarta, por três dias, o fornecimento de gás através do gasoduto Nord Stream, que liga o território russo à Alemanha, alegando trabalhos de manutenção.

Contact Us

Generalist media, focusing on the relationship between Portuguese-speaking countries and China.

Plataforma Studio

Newsletter

Subscribe Plataforma Newsletter to keep up with everything!