Início » Rohingyas refugiados no Bangladesh continuam apátridas desde 2017

Rohingyas refugiados no Bangladesh continuam apátridas desde 2017

Quase um milhão de refugiados da minoria muçulmana rohingya, de Myanmar, vive atualmente em campos “temporários” e sobrelotados do vizinho Bangladesh, sem solução à vista, cinco anos após a sua fuga maciça à perseguição no país de origem.

A denúncia é da organização não-governamental Médicos Sem Fronteiras (MSF), que esta quarta-feira assinala em comunicado a data exata desse êxodo dos rohingyas “à maior e mais recente vaga de violência em Myanmar” – 25 de agosto de 2017 – para o país mais pobre do mundo, coligindo testemunhos de pessoas de várias gerações que foram ou são doentes da MSF e vivem desde então nos campos de refugiados situados junto à cidade portuária de Cox’s Bazar, no sudeste do Bangladesh.

Os cerca de 750.000 rohingyas que nesse dia fugiram de Myanmar, juntando-se a mais de 100.000 que já se tinham refugiado no país vizinho e a outros que se lhes seguiram, dependem, segundo a MSF, de ajuda humanitária e têm “escassíssimas perspetivas de futuro”.

Leia mais em TSF

Contact Us

Generalist media, focusing on the relationship between Portuguese-speaking countries and China.

Plataforma Studio

Newsletter

Subscribe Plataforma Newsletter to keep up with everything!