Ex-primeiro-ministro japonês Shinzo Abe morre depois de ser atingido por tiros - Plataforma Media

Ex-primeiro-ministro japonês Shinzo Abe morre depois de ser atingido por tiros

O ex-primeiro-ministro do Japão Shinzo Abe morreu depois de ter sido baleado durante um evento de campanha nesta sexta-feira (8), informaram o canal público NHK e a agência de notícias Jiji.

“De acordo com uma fonte do PLD (Partido Liberal Democrata), o ex-primeiro-ministro Abe morreu em um hospital na cidade de Kashihara, na região de Nara, onde estava recebendo tratamento médico. Ele tinha 67 anos”, afirmou a NHK.

O ataque contra o político mais famoso do país, de 67 anos, aconteceu durante um comício para as eleições do Senado de domingo, apesar das rígidas leis no país contra a posse de armas.

“O ex-primeiro-ministro Shinzo Abe foi atingido por tiros em Nara (oeste) e fui informado que se encontra em estado muito grave”, disse o primeiro-ministro Fumio Kishida à imprensa.

“É um ato de barbárie durante a campanha eleitoral, que é a base da democracia, e é absolutamente imperdoável. Condeno este ato nos termos mais fortes”, completou Kishida.

O ataque aconteceu um pouco antes do meio-dia em Nara e “um homem, que se acredita ser o atirador, foi detido”, disse o porta-voz do governo japonês, Hirokazu Matsuno, à imprensa.

Um homem de 40 anos foi detido por tentativa de assassinato e teve uma arma confiscada, informou o canal NHK, que citou fontes policiais.

Abe fazia um discurso de campanha durante um comício antes das eleições para o Senado do próximo domingo e, apesar da segurança no local, as pessoas conseguiam se aproximar com facilidade do político.

Imagens exibidas pela NHK mostram Abe de pé em um palco quando é possível ouvir um grande barulho e observar fumaça. Pouco depois, um homem foi imobilizado por agentes de segurança.

“Ele estava fazendo um discurso e um homem chegou por trás”, disse um jovem que acompanhava o comício.

“O primeiro tiro soou como uma arma de brinquedo. Ele não caiu, mas então aconteceu um estrondo alto. O segundo tiro foi mais visível, dava para ver a explosão e a fumaça”, acrescentou.

“Terror e violência”

Abe caiu e sangrava pelo pescoço, afirmou uma fonte do Partido Liberal Democrático (PLD) à agência Jiji.

Vários meios de comunicação informaram que o ex-chefe de Governo foi atacado pelas costas, provavelmente com uma escopeta.

O governo anunciou a criação de uma força-tarefa após o ataque, que provocou uma série de reações internacionais.

O secretário de Estado americano, Antony Blinken, expressou tristeza e preocupação com a tentativa de assassinato de Abe, um aliado de Washington.

“Este é um momento muito, muito triste”, declarou Blinken à imprensa durante a reunião do G20 em Bali.

Os principais líderes das instituições da União Europeia (UE) e da Otan afirmaram que estavam em “choque” com o ataque.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, classificou o ato como “abjeto”.

O governo da China também afirmou que está em choque. “Acompanhamos a evolução da situação e esperamos que (Abe) esteja fora de perigo e se recupere o mais rápido possível”, disse Zhao Lijian, porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores.

Gen Nakatani, assessor do primeiro-ministro Fumio Kishida, afirmou que “o terror e a violência nunca podem ser tolerados”, segundo a agência Jiji.

Abe, o primeiro-ministro mais longevo do Japão, governou o país em 2006 durante um ano. Ele retornou ao poder entre 2012 e 2020.

Ele é um conservador de linha dura que promoveu a revisão da Constituição pacifista do Japão para reconhecer os militares do país. Abe permanece politicamente relevante mesmo depois de deixar o poder.

Este artigo está disponível em: English

Related posts
Desporto

Tóquio é escolhida como sede do Mundial de atletismo de 2025

MundoPolítica

Coligação no Governo do Japão consolidou maioria nas eleições

MundoPolítica

Partido do governo no Japão garante ampla vitória nas eleições após assassinato de Abe

Sociedade

Suspeito de ataque a Shinzo Abe é um ex-membro do exército japonês

Assine nossa Newsletter