Coreia do Norte anuncia teste bem-sucedido de míssil hipersónico

Coreia do Norte anuncia teste bem-sucedido de míssil hipersónico

A Coreia do Norte testou com sucesso um míssil hipersónico, informou esta quinta-feira a imprensa estatal, no primeiro teste de armamento realizado pelo país neste ano, rapidamente criticado pelos EUA

Coreia Norte anuncia mais um teste bem-sucedido. O míssil testado estava carregado com uma “ogiva hipersônica deslizante”, que “atingiu com precisão um alvo a 700 km de distância”, reportou a Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA, sigla em inglês).

Trata-se do segundo teste notificado pela Coreia do Norte de um míssil  hipersônico, uma arma de última geração, que representa o último avanço tecnológico do seu arsenal.

O disparo de teste desta quarta-feira “reconfirmou o controle de voo e a estabilidade do míssil na etapa de voo ativo e avaliou o rendimento da nova técnica de movimento lateral aplicada à ogiva hipersônica”, detalhou a KCNA.

A Coreia do Sul e o Japão detectaram nesta quarta-feira o lançamento de um suposto míssil balístico da Coreia do Norte, que caiu nas águas ao leste da península coreana.

O lançamento veio na sequência de uma série de testes de armamentos realizados entre setembro e outubro pela Coreia do Norte e foi criticado por Seul, Tóquio e Washington.

“Esse lançamento viola múltiplas resoluções do Conselho de Segurança da ONU e representa uma ameaça aos vizinhos da RPDC (República Popular Democrática da Coreia) e à comunidade internacional”, disse um porta-voz do Departamento de Estado americano. “Seguimos comprometidos com uma reaproximação diplomática com a RPDC e lhes pedimos que dialoguem”, acrescentou.

O Exército da Coreia do Sul reportou que seu vizinho do norte lançou o que “presumivelmente era um míssil balístico” nas águas ao leste da península coreana, por volta das 8h10 (20h10 de terça-feira no horário de Brasília).

O lançamento foi feito da província de Jagang, na fronteira com a China, de acordo com os militares sul-coreanos.

Leia mais sobre o assunto em: Coreia do Norte dispara projétil não identificado

Após uma reunião de emergência, o Conselho de Segurança Nacional da Coreia do Sul “expressou preocupação com o lançamento”, de acordo com uma nota do gabinete presidencial.

Já o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, descreveu o incidente como um “possível lançamento de míssil balístico”. “É realmente lamentável que a Coreia do Norte continue lançando mísseis desde o ano passado”, disse Kishida, observando que seu governo estuda os detalhes da operação, incluindo o número de projéteis lançados. 

O porta-voz do governo japonês, Hirozaku Matsuno, informou que, se o artefato “tiver seguido uma órbita normal, deve ter percorrido cerca de 500 quilômetros e caído fora da zona econômica exclusiva do Japão”.

Em sua primeira década no poder, o ditador Kim Jong-un priorizou o desenvolvimento de armas e nuclear do país, embora isso tenha levado a sanções internacionais significativas. 

Apesar de os problemas econômicos do país terem sido agravados pela pandemia do coronavírus, o isolado regime comunista manteve essa estratégia com uma série de testes militares entre setembro e outubro de 2021. Como afirmam os países vizinhos, estes testes foram retomados nesta quarta-feira.

O lançamento ocorre depois de Kim Jong-un manifestar, na semana passada, em uma reunião de seu partido, seu compromisso de continuar a desenvolver as capacidades militares do país.

“Acredito que a Coreia do Norte continuará a refinar seu arsenal como forma de melhorar sua posição estratégica em tempos de mudança política na região”, disse à AFP Jean Lee, do Woodrow Wilson International Center, de Washington.

Mensagem a Washington

Entre setembro e outubro de 2021, o regime norte-coreano anunciou testes bem-sucedidos de mísseis de cruzeiro de longo alcance, mísseis balísticos de um submarino e de um trem, além do que definiu como um teste de míssil hipersônico.

Esses anúncios foram acompanhados por informações sobre o progresso militar da Coreia do Sul, no que pareciam ser sinais de uma corrida armamentista na península após o fracasso das negociações sobre uma possível desnuclearização nesta conturbada região.

As negociações entre Pyongyang e Washington foram interrompidas após o fracasso, em 2019, do diálogo entre Kim e o então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Seu sucessor, o democrata Joe Biden, declarou em várias ocasiões a disposição do novo governo de se reunir com representantes norte-coreanos, mas Pyongyang se cala sobre o assunto e acusa Washington de manter sua política “hostil”.

Em sua crítica ao lançamento, o Departamento de Estado americano reiterou seu compromisso de “uma aproximação diplomática” com o país comunista, isolado, e pediu ao mesmo que “também se comprometa com o diálogo”.

“Pyongyang envia uma mensagem aos Estados Unidos de que não vai mudar e, portanto, Washington deve ceder”, afirmou Shin Beom-chul, do Instituto de Pesquisa de Estratégia Nacional da Coreia, em conversa com a AFP.

Além das consequências econômicas das sanções internacionais, a Coreia do Norte sofre com o bloqueio autoimposto em suas fronteiras para impedir a entrada do coronavírus. O quadro atual leva a ONU a temer uma crise alimentar de grande magnitude neste território.

Related posts
PolíticaTimor-Leste

ONG timorense preocupada com politização das instituições de defesa

ChinaPolítica

Pequim protesta contra presença de navio militar dos EUA no Mar da China

MundoPolítica

Coreia do Norte insinua retomada de testes nucleares e de mísseis

MundoPolítica

Coreia do Norte dispara mais dois mísseis, quarto lançamento do mês

Assine nossa Newsletter