Lukashenko pede a Putin bombardeiros nucleares para vigiar fronteira com UE

Lukashenko pede a Putin bombardeiros nucleares para vigiar fronteira com UE

O Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, admitiu ontem ter pedido a Vladimir Putin ajuda para vigiar a fronteira com a UE. Moscovo enviou bombardeiros estratégicos com capacidade nuclear

As missões marcaram a segunda vez em dois dias que a Rússia enviou seus bombardeiros com capacidade nuclear aos céus da Bielo-Rússia.

Dois bombardeiros de longo alcance russos Tu-22M3 fizeram uma patrulha semelhante na quarta-feira, e os meios de defesa aérea da Bielorrússia praticaram interceptá-los.

“Sim, são bombardeiros capazes de transportar armas nucleares. Não temos outra saída. Precisamos de saber o que fazem do lado de lá da fronteira”, afirmou Lukashenko durante uma reunião do executivo bielorrusso.

  O Presidente da Bielorrússia pediu segunda-feira a Putin para se juntar às operações, após a eclosão da crise migratória na fronteira com a Polónia, onde milhares de imigrantes do Médio Oriente procuram entrar no espaço da UE. 

“[Moscovo] enviou bombardeiros estratégicos escoltados pelos nossos caças. Temos de monitorizar continuamente a situação na fronteira”, sustentou, salientando que os aparelhos irão sobrevoar as fronteiras com a Polónia, com os países bálticos, com todos os Estados membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) e ainda com a Ucrânia.

“Foi o que combinámos com os russos. Connosco, as piadas não valem a pena. A situação aí é séria. Não sabemos o que eles querem”, acrescentou.

Hoje também, o Ministério da Defesa russo divulgou imagens do voo de dois bombardeiros ‘Tu-160’, embora tenha especificado que a referida patrulha não era dirigida “contra países terceiros”.

“A duração do voo foi de quatro horas e 36 minutos. Nesse período, os bombardeiros percorreram mais de 3.000 quilómetros”, indicou-se na nota militar.

Quarta-feira, outros dois bombardeiros ‘Tu-22M3’ também sobrevoaram o território bielorrusso, após o que Minsk informou que as patrulhas passariam a ser regulares “face à situação criada tanto no ar como em terra”.

Moscovo, que estendeu esta semana a presença de militares russos em território bielorrusso por 25 anos, apoia Minsk na crise migratória com a Polónia, que conta, por sua vez, com a ajuda europeia.

Lukashenko também ordenou hoje ao Ministério da Defesa bielorrusso e às guardas de fronteira que garantam “o controlo sobre o movimento das tropas da NATO e polacas”.

“Vê-se que já são 15 mil militares, tanques, veículos blindados, helicópteros que voam ao lado de aviões. Foram enviados para a fronteira e, mais ainda, sem avisar ninguém, embora sejam obrigados a fazê-lo”, denunciou.

Lukashenko assegurou ainda que a Bielorrússia tem de ter “planos de contra-ataque”. 

“Para que não façam uma pequena guerra na fronteira e não estejamos preparados para isso”, acrescentou.

Diante das iminentes sanções europeias, o Presidente bielorrusso ameaçou Bruxelas com o encerramento do gasoduto do gás russo destinado à Europa que passa pelo país e com o bloqueio ao trânsito comercial.

Related posts
ChinaPolítica

China assina acordo para reforço da colaboração militar com Rússia

MundoPolítica

Forças polacas usam gás lacrimogéneo contra migrantes

MundoPolítica

Putin diz que manobras dos EUA no Mar Negro são 'provocação'

FuturoMundo

EUA condenam teste 'irresponsável' de míssil espacial da Rússia

Assine nossa Newsletter