Presença humana nos Açores 700 anos antes dos portugueses -

Presença humana nos Açores 700 anos antes dos portugueses

Um estudo internacional, que contou com a participação de investigadores do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos – Açores (CIBIO), detetou presença humana nos Açores 700 anos antes da chegada dos portugueses, foi hoje revelado.

Em comunicado, o CIBIO-Açores esclarece que o estudo reconstruiu as condições em que os Açores foram habitados pela primeira vez e o impacto que a presença humana teve nos ecossistemas do arquipélago.

Uma das principais conclusões da investigação, publicada na revista PNAS, é que as primeiras evidências de presença humana nas ilhas foram detetadas 700 antes da chegada dos portugueses no século XV, nomeadamente à ilha de Santa Maria em 1427 e às ilhas do Corvo e das Flores em 1452.

O estudo sugere ainda, tendo por base diferentes simulações para determinar as condições climatéricas, que os primeiros colonizadores do arquipélago eram “provavelmente” oriundos do norte da Europa e que encontraram “condições climáticas favoráveis para navegar em direção aos Açores no final da Alta Idade Média, devido à predominância dos ventos de nordeste e o enfraquecimento dos de oeste”.

“O trabalho agora publicado regista a chegada dos primeiros colonos às ilhas no final da Alta Idade Média”, salienta o CIBIO — Açores, acrescentando que a investigação contraria o consenso de que o arquipélago nunca tinha sido habitado até à chegada dos portugueses.

Citado no comunicado, Pedro Raposeiro, investigador do centro açoriano e primeiro autor do artigo, sublinha que a investigação “demonstra a importância de promover estudos multidisciplinares entre as ciências naturais e as ciências humanas” para que exista “uma visão mais ampla do que realmente aconteceu no passado”.

Os investigadores analisaram e dataram, recorrendo a técnicas geológicas, químicas, físicas e biológicas, cinco sondagens de sedimentos recuperados do fundo de lagos das ilhas de São Miguel, Pico, Terceira, Flores e Corvo.

Leia mais em Jornal de Notícias

Assine nossa Newsletter