Líder norte-coreano recusa ofertas de diálogo dos EUA - Plataforma Media

Líder norte-coreano recusa ofertas de diálogo dos EUA

Kim Jong Un chamou as ofertas de diálogo feitas pelos Estados Unidos de “truque mesquinho” e acusou Joe Biden de manter as políticas hostis contra o seu país

Os contatos entre os dois países, iniciados sob o mandato de Donald Trump, foram interrompidos em 2019 após o fracasso da segunda cúpula entre o então presidente republicano e o líder norte-coreano em Hanói, Vietnã.

Desde que chegou à Casa Branca, o governo de Joe Biden tem oferecido reiteradamente ao isolado regime comunista um encontro em qualquer lugar, a qualquer momento e sem condições prévias.

Kim chamou essas propostas de “nada além de um truque mesquinho para enganar a comunidade internacional e mascarar seus atos hostis”, informou a agência estatal KCNA.

Com a chegada de Biden, “a ameaça militar americana e a política hostil para conosco não mudaram em absoluto, mas se tornaram mais maliciosas”, disse Kim durante um longo discurso à Assembleia Suprema do Povo, o Parlamento de partido único norte-coreano nesta quinta-feira (noite de quarta, 29, no Brasil).

A Coreia do Norte, dotada de armamento nuclear, deixou passar o tempo nos últimos meses, estudando os movimentos da nova administração americana ao mesmo tempo em que se concentrou em assuntos internos.

O empobrecido país asiático se auto-impôs um bloqueio no começo de 2020 para se proteger da pandemia do coronavírus, o que castigou ainda mais sua economia e reduziu ao mínimo seu comércio com a China, seu principal sustento.

Testes militares

O regime comunista parece ter emergido da letargia nas últimas semanas, nas quais tanto ele quanto seu vizinho do sul exibiram com pompa as inovações tecnológicas de seu armamento.

Na quarta-feira, Pyongyang assegurou que tinha testado com êxito um míssil hipersônico, um artefato muito mais ágil e rápido do que os convencionais, e também mais difícil de ser interceptado pelos sistemas de defesa.

A Coreia do Sul, por sua vez, também está destinando importantes partes de seu orçamento a melhorar suas capacidades militares diante da ameaça do vizinho.

Neste mês, Seul anunciou o primeiro teste bem sucedido de mísseis lançados de um submarino (SLBM), uma tecnologia disponível apenas em um punhado de países, e apresentou seu terceiro submarino capaz de carregar estes projéteis.

Resoluções do Conselho de Segurança da ONU proibiram o programa de armamento nuclear e mísseis balísticos impulsionado por Kim Jong Un na Coreia do Norte, um país sujeito a muitas sanções internacionais como consequência disso.

Os Estados Unidos condenaram os recentes lançamentos de Pyongyang, mas seguem abertos ao diálogo. “Estamos dispostos a nos reunir com a Coreia do Norte sem condições prévias. Esperamos que aquele país responda positivamente à nossa aproximação”, declarou o porta-voz da diplomacia americana.

Linhas de comunicação com Seul

O Conselho de Segurança das Nações Unidas vai se reunir nesta quinta-feira para analisar a situação da Coreia do Norte a pedido de Estados Unidos, França e Reino Unido, informaram diplomatas à AFP.

Pyongyang não dá sinais de querer se desvincular do seu arsenal, que considera necessário para se defender dos Estados Unidos.

O discurso de Kim sugere que o regime continuará desenvolvendo seu programa militar, a menos que Washington mude de postura, indicou Hong Min, pesquisador do Instituto Coreano para a Reunificação Nacional, em Seul. “Chegou à conclusão de que não tem escolha a não ser preparar uma estratégia de longo prazo com os Estados Unidos, o que implica continuar a desenvolver armas estratégicas, enquanto mantém uma atitude de paz estável com o Sul.”

O dirigente norte-coreano mostrou-se mais comedido ao responder a seu par do sul, Moon Jae-in, que propôs este mês pôr um fim oficial à guerra entre os dois países (1950-1953), encerrada com uma trégua e não um tratado de paz.

Kim lamentou que Seul siga “a serviço dos Estados Unidos” e destacou que somente se poderia declarar encerrada a guerra com “respeito mútuo” e o fim da “atitude injusta e com padrões duplos” do país vizinho. Ainda assim, expressou vontade de restabelecer as linhas de comunicação entre Seul e Pyongyang no começo de outubro.

Related posts
EconomiaMundo

Mesmo fragilizado Biden pretende liderar reunião do G20 e COP26

Lucro trimestral da Microsoft cresce 48% graças à nuvem

MundoPolítica

Canadá vai passar a receber e integrar refugiados norte-coreanos

ChinaPolítica

Xi Jinping defende “coexistência pacifica” no aniversário da adesão à ONU

Assine nossa Newsletter