Brasil vai partilhar tecnologia de vacinas com América Latina

Brasil vai partilhar tecnologia de vacinas com América Latina

A brasileira Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), escolhida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como parceira num projeto de produção de vacinas com RNA mensageiro (mRNA), informou que se compromete a compartilhar essa tecnologia com os países vizinhos

“Além de abastecer a região com esse tipo de vacina, a Fiocruz também se comprometeu, como parte do projeto apresentado à OMS, a compartilhar os seus conhecimentos para a produção de vacinas com outros laboratórios da região e garantir a transferência de tecnologia, para que possamos expandir a capacidade de produção regional”, assegurou, em comunicado a entidade, que é o maior centro de investigação em saúde da América Latina.

Para garantir o acesso equitativo, a vacina desenvolvida pela Fiocruz será oferecida aos Estados membros e territórios da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) através do seu Fundo Rotativo, que oferece vacinas acessíveis há mais de 40 anos na região, acrescenta a nota.

A OMS e a OPAS anunciaram na terça-feira que a brasileira Fiocruz e a argentina Sinergium Biotech foram escolhidas para serem as parceiras latino-americanas num projeto de desenvolvimento e produção de vacinas com a tecnologia de mRNA (RNA mensageiro) contra diferentes vírus e patógenos, incluindo a covid-19.

Essa nova tecnologia para a produção de imunizantes foi utilizada nas vacinas que a Pfizer e a Moderna desenvolveram contra o novo coronavírus.

A inclusão dos laboratórios brasileiro e argentino no projeto faz parte de uma iniciativa da OMS para aumentar a autonomia das regiões na produção de biofármacos, para que possam responder rapidamente à procura global por vacinas em caso de futuras epidemias ou pandemias, de acordo com a organização multilateral.

As propostas apresentadas pelo Instituto de Tecnologia Imunobiológica da Fiocruz (Bio-Manguinhos) e pela Sinergium Biotech foram escolhidas após a OMS considerar que ambas têm potencial para o desenvolvimento e produção de vacinas da plataforma de mRNA a médio prazo.

De acordo com a fundação vinculada ao Ministério da Saúde do Brasil, cerca de 30 empresas e instituições científicas da América Latina disputaram a licitação mundial lançado em abril pela OMS para aumentar o acesso às tecnologias de vacinas na região.

Segundo a Fiocruz, a tecnologia de mRNA exige menos necessidades produtivas e permite uma escala em termos de doses superior às de outras vacinas, pelo que “permite que o seu custo seja inferior ao de produtos similares e permite a ampliação do acesso”.

De acordo com o comunicado, uma vez desenvolvida, a vacina candidata passará por um processo de pré-qualificação na OMS, o que garantirá o cumprimento dos mais elevados padrões internacionais de qualidade, segurança e eficácia.

“O desenvolvimento de uma vacina da Fiocruz com tecnologia de mRNA é um passo importante para o Brasil obter o domínio de duas tecnologias fundamentais para o avanço do desenvolvimento de imunobiológicos”, afirmou a presidente da fundação, Nísia Trindade Lima, citada no comunicado.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo ao totalizar 591.440 óbitos e 21.247.094 infeções desde o início da pandemia.

A covid-19 provocou pelo menos 4.696.559 mortes em todo o mundo, entre mais de 229,01 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Related posts
BrasilSociedade

Familiares de vítimas brasileiras criticam Governo e pedem justiça

BrasilPolítica

Adiado relatório que pode incriminar Bolsonaro

Mundo

EUA abrirá fronteiras terrestres a viajantes vacinados em novembro

MundoSociedade

Reforço de Moderna ou Pfizer funciona melhor para vacinados com J&J

Assine nossa Newsletter