Ativistas de Hong Kong declaram-se culpados da vigília sobre Tiananmen

Ativistas de Hong Kong declaram-se culpados da vigília sobre Tiananmen

Doze ativistas pró-democracia de Hong Kong declararam-se hoje culpados de participarem numa vigília não autorizada para assinalar o chamado “massacre de Tiananmen”

Os 12 foram acusados de participarem na vigília não autorizada em 04 de junho do ano passado, quando milhares de habitantes de Hong Kong acenderam velas e entoaram cânticos, apesar dos avisos da polícia de que poderiam estar a infringir a lei. Sete deles foram também acusados de incitarem outros a integrarem a iniciativa.

Devido à pandemia de covid-19, as autoridades de Hong Kong alegaram riscos para a saúde pública para proibir nos dois últimos anos as habituais vigílias que assinalavam o aniversário da repressão chinesa contra manifestantes na Praça Tiananmen em Pequim, em 1989, que resultou num número indeterminado de mortos.

Activistas e oposição ao Governo de Hong Kong criticaram a proibição, argumentando que esta faz parte de uma repressão contínua contra a dissidência no território semiautónomo chinês, após meses de protestos antigovernamentais em 2019.

Macau e Hong Kong eram os dois únicos locais na China em que se assinalava, publicamente, a data. Mas, tal como em Hong Kong, as autoridades também proibiram o evento.

Entre os activistas que se declararam culpados contam-se o advogado Albert Ho, os antigos legisladores Eddie Chu e Figo Chan, e um antigo líder da Frente Cívica de Direitos Humanos, movimento conhecido por ter promovido as maiores manifestações pró-democracia em Hong Kong.

Leia mais em Hoje Macau

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
MacauPolítica

CE de Macau não comenta proibição da vigília do 4 de Junho

MacauPolítica

Kevin Ho apoia recusa das autoridades para a realização da vigília

MacauPolítica

Tiananmen: PSP recusa vigília, segundo ano consecutivo

MacauPolítica

Macau: Deputado questiona conceito de reunião e de manifestação

Assine nossa Newsletter