Juiz do Supremo estende suspeição de Sergio Moro a mais dois processos de Lula da Silva - Plataforma Media

Juiz do Supremo estende suspeição de Sergio Moro a mais dois processos de Lula da Silva

A suspeição do ex-juiz brasileiro Sergio Moro foi estendida a mais dois processos contra o ex-presidente Lula da Silva no âmbito da Lava Jato, decidiu na quinta-feira um juiz do Supremo Tribunal Federal (STF).

A decisão foi tomada pelo magistrado do STF Gilmar Mendes e abrange agora também os processos relacionados a uma quinta em Atibaia, no Estado de São Paulo, e o da doação de um imóvel para o Instituto Lula.

“Estendo a decisão que concedeu a ordem neste habeas corpus às demais ações penais conexas processadas pelo julgador declarado suspeito em face do paciente Luiz Inácio Lula da Silva, de modo a anular todos os atos decisórios emanados pelo magistrado, incluindo-se os atos praticados na fase pré-processual”, escreveu Gilmar na decisão.

O magistrado atendeu assim a um pedido da defesa de Lula, para que os atos do ex-magistrado na 13ª Vara Federal de Curitiba fossem declarados nulos.

A defesa sustentava que, uma vez declarada a suspeição do ex-juiz no processo do Tríplex, se fazia necessária a revisão outros processos.

No seu despacho, com duras críticas à atuação do ex-juiz e à Operação Lava Jato, Gilmar Mendes afirmou que nos processos do Triplex do Guarujá, na quinta de Atibaia e nos recursos supostamente dirigidos ao Instituto Lula, “houve a persecução penal do paciente em cenário permeado pelas marcantes atuações parciais e ilegítimas do ex-juiz Sergio Fernando Moro”.

O magistrado citou ainda o levantamento do sigilo da colaboração premiada com a justiça de Antônio Palocci Filho [ex-ministro condenado na Lava Jato] “com finalidades eleitorais em meio ao pleito em curso naquele momento [a eleição de 2018], entre outros”.

A ampliação aos demais casos surge um dia após o plenário do STF ter mantido a decisão que declarou Sergio Moro parcial ao condenar Lula da Silva no caso do apartamento tríplex do Guarujá.

A maioria dos magistrados citou conduções coercitivas, espetacularidade do caso, intercetações telefónicas e quebras de sigilo como argumentos para considerar a parcialidade e suspeição de Moro.

A defesa de Lula da Silva alegava que o ex-juiz não detinha a imparcialidade necessária para julgar o antigo mandatário, tendo como base os arquivos obtidos pela Operação Spoofing numa ação contra ‘hackers’, que revelaram uma troca de mensagens alegadamente parcial entre Moro e os procuradores da Lava Jato.

Com a decisão de Gilmar Mendes e do plenário do STF, os três processos terão de recomeçar do zero na Justiça de Brasília, e as provas não poderão ser aproveitadas.

Após a decisão de quinta-feira, o antigo mandatário partilhou na rede social Twitter uma fotografia do momento em que os seus advogados, Cristiano Zanin e Valeska Martins, lhe entregaram em mãos a certidão do julgamento que confirmou a parcialidade de Moro.

Desde o início das investigações, Lula tem reafirmado ser inocente e ter sido “vítima da maior mentira jurídica” da história do Brasil.

Lula, que recentemente teve as suas condenações no âmbito da Lava Jato anuladas, recuperou os seus direitos políticos e voltou a ser elegível.

Related posts
BrasilPolítica

PT quer reforçar segurança de Lula contra atentados na campanha de 2022

BrasilPolítica

Lula da Silva diz esperar que protestos de rua impulsionem destituição de Bolsonaro

BrasilPolítica

Juiz do Supremo brasileiro proíbe uso de confissões da Odebrecht contra Lula

BrasilPolítica

Morte de meio milhão de pessoas no Brasil é "genocídio"

Assine nossa Newsletter