CPLP deve consolidar sentimento de pertença entre lusófonos

CPLP deve consolidar sentimento de pertença entre lusófonos

A busca de representação e inclusão dos cidadãos na CPLP, com políticas que tragam “benefícios concretos”, deve ser o principal objetivo da organização para que se consolidem verdadeiros sentimentos de pertença, afirmou o futuro secretário-executivo da comunidade lusófona

A poucos meses de assumir formalmente o cargo – o seu nome será confirmado na cimeira de chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) em Luanda, marcada para julho – e na sua primeira entrevista alargada, Zacarias da Costa disse à Lusa que este é um dos principais desafios atuais.

“O maior desafio da CPLP permanece, até hoje, a concretização de um verdadeiro sentimento de pertença dos cidadãos da CPLP alicerçado em políticas de atuação que se traduzam em benefícios concretos”, frisou.

Por isso, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros e o primeiro timorense a assumir o cargo considera que procurar consolidar esse “sentimento de representação e inclusão na comunidade deve ser o principal foco da CPLP”, cabendo aos Estados-membros garantir que a organização “assegura estas mais-valias na vida das pessoas”.

Como exemplo concreto cita os temas da dimensão económica empresarial, que marcou a presidência de Timor-Leste da organização e que voltará a marcar a presidência angolana e, particularmente, a questão da mobilidade.

Desde a sua fundação, recordou, a organização considerou o fortalecimento das relações comerciais e económicas como elemento central ao crescimento da CPLP, tendo a cimeira de 2014, em Díli, marcado a necessidade de “dotar a CPLP de uma estratégia de cooperação económica e empresarial, através de mecanismos de apoio aos negócios e investimentos no espaço da CPLP”. 

“Não há dúvidas de que existe uma vontade cada vez maior dos Estados-membros em desenvolver esta vertente económica da CPLP, e é para mim claro que a realização de planos concretos ao abrigo deste tipo de cooperação poderá ter uma importância determinante na vida dos cidadãos da CPLP”, afirmou.

“O secretário-executivo terá, como sempre, o papel de trabalhar em conjunto com a Presidência, apoiar a implementação das decisões da conferência de chefes de Estado e de governo e empreender todas as medidas destinadas à prossecução dos objetivos da CPLP”, disse.

No que se refere em concreto à mobilidade, e antecipando a aprovação, em Luanda, do acordo que facilita a circulação dos cidadãos no espaço lusófono, Zacarias da Costa considera a questão um “marco fundamental na história da CPLP”, com “um alcance decisivo para a integração dos cidadãos lusófonos.”

“A questão da facilitação da circulação no espaço comunitário é uma questão complexa devido à inserção regional de cada Estado membro, havendo realidades internas diversas e compromissos internacionais diferentes”, notou.

“É por esta mesma razão que o acordo prevê um mecanismo flexível e variável, adaptável às circunstâncias próprias de cada Estado-membro. O papel do secretariado-executivo será de acompanhar a execução do Acordo, da forma que os Estados membros entenderem”, sublinhou.

Zacarias da Costa mostra-se igualmente preocupado com a “séria e complexa” questão da situação financeira da CPLP, defendendo que o assunto tem que ser solucionado.

“A CPLP vive das contribuições financeiras dos seus Estados-membros, como qualquer outra organização internacional, e as restrições resultantes de um orçamento limitado são dificuldades que atingem as organizações internacionais em geral”, recordou.

“O orçamento da CPLP é certamente limitado. Sabemos todos que a situação financeira é uma questão séria e complexa que deve ser rapidamente solucionada pelos Estados-membros”, considerou.

Ainda assim e apesar das “restrições existentes”, Zacarias da Costa disse que será necessário “executar o orçamento disponível e assegurar uma gestão que permita o avanço da agenda da CPLP”.

Também na agenda estará a recomendação do atual secretário executivo de alterações à duração do mandato deste responsável, ideia com a qual concorda.

“A referida proposta de alteração dos Estatutos é sustentada quer pela prática desenvolvida no âmbito da maioria das organizações internacionais cujos regulamentos preveem mandatos mais duradouros, quer pela prática corrente na própria CPLP, uma vez que muitos secretários-executivos anteriores cumpriram dois mandatos consecutivos”, disse.

“Se a conclusão for que a duração de dois anos atualmente prevista é demasiado restritiva para garantir a eficiência do nosso trabalho, e que obsta a qualquer tipo de avanços considerados necessários, então, posso dizer que remeterei aos Estados-membros esta mesma proposta de alteração”, afirmou ainda.

A escolha de Zacarias da Costa para futuro secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) foi avançada em junho do ano passado.

Timor-Leste é o país que tem agora o direito de propor o nome do futuro secretário-executivo da CPLP, que sucederá ao português Francisco Ribeiro Telles.

Related posts
AngolaSociedade

FLEC-FAC preocupada com silêncio da CPLP sobre província angolana de Cabinda

EntrevistaTimor-Leste

Timor-Leste ampliou relevância mundial da CPLP

AngolaCabo Verde

Ministros fazem acertos sobre presidência da CPLP

AngolaBrasil

Nova presidente do Fórum de Juventude da CPLP quer mais investimento nos jovens

Assine nossa Newsletter