Líder da junta militar do Myanmar planeia criar sistema democrático num ano

Líder da junta militar do Myanmar planeia criar sistema democrático num ano

O líder da junta militar de Myanmar (antiga Birmânia) garantiu que planeia estabelecer um sistema federal democrático e multipartidário no país no prazo de um ano

Min Aung Hlaing afirmou também que a líder deposta, Aung San Suu Kyi, “fez o que pôde” no Governo e confirmou que está de boa saúde a vencedora do Prémio Nobel da Paz, que deve comparecer na segunda-feira em tribunal.

O general, que tomou o poder no golpe de 01 de fevereiro, fez estas declarações na sua primeira entrevista com a Phoenix Television, um canal de televisão pró-governamental em Hong Kong.

A entrevista foi realizada na quinta-feira e ainda não foi transmitida, embora partes da mesma tenham sido publicadas nas redes sociais.

Em contraste com os 815 civis mortos na repressão militar, tal como estimado pelos ativistas pró-democracia, Min Aung Hlaing disse que o número de mortos é de 300 e que entre as forças de segurança registaram-se 45 óbitos desde o golpe.

Na semana passada, os meios de comunicação locais birmaneses noticiaram que a junta militar isentou Min Aung Hlaing e o seu ‘número dois’, Soe Win, de terem de se reformar aos 65 anos, pelo que, em teoria, podem permanecer no poder indefinidamente.

O chefe da junta, que faz 65 anos em julho, já atrasou a sua reforma quando devia fazer 60 anos, o limite para a maioria dos funcionários públicos.

Related posts
MundoPolítica

Birmaneses com flores nas ruas para lembrar líder deposta pelos militares

MundoPolítica

AG da ONU condena golpe militar em Myanmar e pede embargo de armas

MundoPolítica

Termina primeira sessão do julgamento de Aung San Suu Kyi

MundoPolítica

Aung San Suu Kyi, líder deposta do Myanmar é indiciada por corrupção

Assine nossa Newsletter