O futuro do RMB digital

O futuro do RMB digital

O Banco Popular da China revelou recentemente que no final de 2019 foi introduzida a fase de teste do RMB digital em Shenzhen, Suzhou, nova área de Xiong’an, Chengdu e na futura organização dos Jogos Olímpicos de Inverno. Até outubro de 2020 foram adicionadas ainda mais 6 zonas de teste, incluído Xangai, Hainan, Changsha, Xi’an, Qingdao e Dalian.

Que impacto terá o RMB digital nas nossas vidas? Quando será oficialmente lançado? Durante a edição deste ano do Fórum Boao para a Ásia, em Hainan, vários especialistas discutiram este tópico.

A moeda digital chinesa funciona tal como um numerário, mas em formato digital. Mas qual a razão para a China desenvolver este tipo de moeda? O vice-presidente do Fórum Boao para a Ásia, Zhou Xiaochuan, explica: “A razão inicial por detrás do desenvolvimento do RMB digital é o mercado comercial gigante da China que serve a população de 1,4 mil milhões. Esperamos que através do desenvolvimento da ciência e tecnologia seja possível oferecer à população formas mais convenientes e eficientes de pagamento.”

Exemplificando através da área do retalho, salienta que no passado era necessário abrir a carteira para fazer compras, porém, com a digitalização da carteira tradicional, podemos ter acesso ao dinheiro através de um dispositivo digital, como um telemóvel, que pode ser utilizado para fazer um pagamento.

Pagamento por código QR em vez de pagamento em numerário, redes de comércio online e até pagamentos offline. Nas cidades onde a moeda foi inicialmente testada, alguns “sortudos” puderam já comprovar a conveniência deste modo de pagamento. Os vários usos na fase de teste do RMB digital também são variados, desde gastos diários a restauração, transportes ou compras.

Embora a zona de teste do RMB digital esteja a crescer e os possíveis cenários de uso também, visto que as regiões têm de seguir normas de segurança, controlo e supervisão, o número de participantes, transações e valores trocados são relativamente baixos.

Li Bo, vice-diretor do Banco Popular da China, afirma que a área de teste do RMB digital tem tido grande sucesso até ao momento, sendo possível perceber durante todo o processo que as transações anónimas controladas poderão ser uma realidade. Para o vice-diretor, esta é uma caraterística ideal das moedas digitais.

Especificamente para pequenas transações, o processo pode ser anónimo e proteger a informação pessoal dos utilizadores, mas para casos de grandes transações, o banco poderá registá-las de forma a combater branqueamento de capitais, fugas ao fisco e outras atividades ilegais, mantendo toda a segurança financeira.

“Não existe ainda um calendário específico para o lançamento do RMB digital, porém ainda há várias medidas a pôr em prática antes de este ser alargado a todo o país”, comenta Li Bo, salientando que, primeiramente é necessário aumentar e expandir os projetos teste e continuar a garantir que estes têm resultados positivos.

Assinala que cada vez mais cidades e cenários de uso estão a ser considerados, e que naquelas já em teste também estão a ser discutidas novas formas de uso da moeda, reforçando todo o sistema de pagamento. Devem ainda fortalecer-se as infraestruturas necessárias para uma moeda digital, melhorando o nível de segurança e confiança do sistema, criando-se uma estrutura legal e regulamentar de supervisão.

Com o acelerar do processo de aplicação do RMB digital, várias pessoas demonstram preocupações relativamente à interoperabilidade de pagamentos internacionais de moedas digitais pelos bancos centrais. Zhou Xiaochuan afirma que todos os países possuem contextos macroeconómicos diferentes e precisam de assumir soberania sobre a respetiva moeda, por isso é importante ter em consideração a complexidade de pagamentos internacionais em moedas digitais por bancos centrais.

“O atual desenvolvimento do RMB digital foca-se no uso a nível nacional. A internacionalização do RMB será um processo gradual”, explica Li Bo, acrescentando que é necessário cooperar também com parceiros internacionais para que a longo prazo possa haver pagamentos transfronteiriços.

Li Bo diz também que a Bitcoin e a Stablecoin são criptomoedas, sendo a principal função a de ferramenta de investimento. Atualmente, vários países, incluindo a China, estão a estudar as regulamentações destas moedas para garantir que não representam riscos financeiros.

Zhao Xiaochuan acredita que o mundo financeiro deve servir a economia. Quer sejam moedas ou ativos digitais, todos devem estar intimamente ligados à verdadeira economia e servi-la. Esta é uma direção importante a assumir durante a definição da futura regulamentação financeira na China.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter