Ex-membro de dissidência armada em Moçambique pede trégua e amnistia

Ex-membro de dissidência armada em Moçambique pede trégua e amnistia

André Matsangaíssa, até há pouco tempo um dos membros influentes da dissidência armada da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), defendeu hoje uma trégua definitiva e amnistia para que os guerrilheiros saiam das matas

“Gostaria que houvesse uma trégua definitiva, que é a primeira segurança” para os membros da autoproclamada Junta Militar da Renamo que queiram entregar as armas, seguindo-se “uma lei de amnistia”, referiu, em conferência de imprensa, em Maputo.

André Matsangaíssa sugeriu uma retirada das Forças de Defesa e Segurança (FDS) moçambicanas do centro do país para que se crie espaço para a paz e enquadramento dos guerrilheiros dissidentes no processo de desmilitarização, desarmamento e reintegração (DDR) em curso.

As sugestões foram dirigidas ao Governo moçambicano e a Ossufo Momade, presidente da Renamo, principal partido da oposição, para que fomentem o diálogo 

A Junta Militar “foi um problema interno, partidário” no seio da Renamo, acrescentou, após a eleição de Momade, em janeiro de 2019, sucedendo a Afonso Dhlakama.

O grupo armado é liderado por Mariano Nhongo, antigo dirigente de guerrilha, que ainda se encontra nas matas do centro de Moçambique com um número incerto de homens. 

Matsangaíssa foi o terceiro rosto da autoproclamada Junta Militar da Renamo a render-se, depois de João Machava e Paulo Nguirande, dois outros membros influentes daquele grupo que contesta a liderança da Renamo e acusa o atual líder do partido de ter desviado o espírito das negociações de paz com o Governo.

O acordo de paz em Moçambique foi assinado em agosto de 2019 pelo chefe de Estado moçambicano e pelo presidente da Renamo, prevendo, entre outros aspetos, as condições do processo de DDR do braço armado do principal partido de oposição.

A autoproclamada Junta Militar é acusada de protagonizar ataques armados contra civis e forças governamentais em estradas e povoações das províncias de Sofala e Manica, centro de Moçambique, incursões que já provocaram a morte de, pelo menos, 30 pessoas.

André Oliveira Matade Matsangaíssa – sobrinho do primeiro presidente da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), o homónimo André Matsangaíssa – foi recebido no dia 01 de março pelo Presidente moçambicano, Filipe Nyusi.

O chefe de Estado referiu que a rendição deve servir de exemplo para os grupos que ainda estão nas matas, acrescentando que a paz é uma ambição comum entre os moçambicanos.

Related posts
MoçambiquePolítica

Nyusi volta a apelar à rendição dos dissidentes da Renamo

MoçambiqueSociedade

Forças governamentais dizem que devolveram tranquilidade ao centro de Moçambique

MoçambiqueSociedade

Corpo de antigo deputado da Renamo raptado encontrado numa mata em Moçambique

MoçambiquePolítica

ONG pede tréguas “sem condicionalismos” entre Governo e dissidentes da Renamo

Assine nossa Newsletter