Mais países africanos recebem primeiras doses de imunizantes - Plataforma Media

Mais países africanos recebem primeiras doses de imunizantes

Quénia, Rwanda e Lesotho são alguns dos países africanos a receber as primeiras doses de vacinas contra a Covid-19, entregues quinta-feira pela iniciativa global Covax, que pretende assegurar doses para as nações de rendimento baixo e médio.

O Quénia recebeu agora 1,02 milhões de doses da vacina da AstraZeneca, fabricada pelo Serum Institute da Índia. O ministro da Saúde queniano, Mutahi Kagwe, citado pela agência Associated Press (AP), afirmou que serão administradas vacinas a cerca de 400.000 trabalhadores do sector da Saúde, com as restantes a serem alocadas para trabalhadores na linha da frente, como professores e agentes da polícia.

“Temos estado a combater a pandemia com balas de borracha, mas o que adquirimos hoje é equivalente, metaforicamente falando, a bazucas e metralhadoras”, saudou Kagwe.

Segundo o porta-voz do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Andrew Brown, o carregamento entregue ao Quénia faz parte de um pedido de 3,5 milhões de doses feitas pelo país da África Oriental. O Quénia conta até agora com mais de 106.000 casos de infecção, incluindo 1.800 mortes.

Os profissionais de saúde têm mostrado o seu descontentamento com o fornecimento inadequado de equipamento de protecção pessoal e assinalam que nunca receberam os subsídios prometidos pelo Governo pelo trabalho extra e pelo risco ao combate à Covid-19.

O Rwanda recebeu 240.000 doses da vacina da AstraZeneca, devendo receber outras 102.960 doses da Pfizer, tornando-se assim no primeiro país africano a receber doses desta farmacêutica.

A vacina precisa de ser armazenada em temperaturas muito baixas, pelo que torna complexa a sua distribuição em países quentes ou em áreas rurais.
De acordo com o ministro da Saúde rwandês, Daniel Ngamije, o objectivo do Governo é vacinar 30% da população até ao final deste ano e 60% até ao final de 2022, no país que registou 19.111 casos desde o início da pandemia, incluindo 265 mortes.

Leia mais em Jornal de Angola

Related posts
MundoPolítica

Estado Islâmico e Al Qaeda ganham influência em África em 2021 - Estudo

PortugalSociedade

Vagas para autoagendamento esgotadas em alguns concelhos portugueses

MundoSociedade

ONU alerta para risco de "catástrofe" em 2021 por atraso na vacinação de crianças

ChinaEconomia

OCDE diz que África está a perder vantagens na sua relação com a China

Assine nossa Newsletter