Falta de vacinas em África ameaça a recuperação económica mundial - Plataforma Media

Falta de vacinas em África ameaça a recuperação económica mundial

A União Europeia e o Fundo Monetário Internacional alertaram que o fornecimento “insuficiente e tardio” de vacinas ao Continente Africano vai prejudicar a recuperação económica mundial e ter repercussões negativas na crise económica e sanitária.

“O fornecimento insuficiente e tardio de vacinas na África Subsaariana prejudicará os esforços para pôr termo à pandemia, não apenas a nível regional, mas também à escala internacional, com repercussões negativas significativas para a situação sanitária, o crescimento e o comércio no resto do mundo”, lê-se numa nota assinada pela diretora executiva do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, e pela comissária da União Europeia responsável pelas Parcerias Internacionais.

A nota, divulgada durante o Fórum Africano sobre Finanças Públicas, que decorreu terça e quarta-feira, em formato virtual, a partir de Washington e Bruxelas, salienta que “a África subsaariana continua a enfrentar uma crise sanitária, social e económica sem precedentes, em que a pandemia comprometeu anos de árduos ganhos de desenvolvimento e abalou as vidas e os meios de subsistência de milhões de pessoas”.

Jutta Urpilainen e Kristalina Georgieva escrevem que o “objectivo comum é continuar a trabalhar em estreita colaboração com os países, para apoiar os esforços em curso na luta contra esta pandemia, garantindo, nomeadamente, o acesso justo e equitativo a vacinas seguras para todos contra a Covid-19”.
Elogiando a “resposta de política orçamental rápida”, as responsáveis vincam que “as restrições de financiamento, as vulnerabilidades da dívida e o espaço orçamental limitado impediram, e continuam a impedir, que muitos países aplicassem uma resposta mais robusta” aos impactos da pandemia.

Desde o início da pandemia, o FMI já disponibilizou assistência financeira no valor de mais de 17,5 mil milhões de dólares, enquanto a União Europeia contribui com 6,2 mil milhões de euros, através do Team Europe, a que se juntam mais mil milhões de euros “disponibilizados através do apoio orçamental da União Europeia para criar espaço orçamental para as medidas de combate à Covid-19”.

Leia mais em Jornal de Angola

Related posts
MundoPolítica

Estado Islâmico e Al Qaeda ganham influência em África em 2021 - Estudo

PortugalSociedade

Vagas para autoagendamento esgotadas em alguns concelhos portugueses

MundoSociedade

ONU alerta para risco de "catástrofe" em 2021 por atraso na vacinação de crianças

ChinaEconomia

OCDE diz que África está a perder vantagens na sua relação com a China

Assine nossa Newsletter