Covid-19: Turismo no Brasil levará dois anos para voltar ao nível pré-pandemia - Plataforma Media

Covid-19: Turismo no Brasil levará dois anos para voltar ao nível pré-pandemia

O turismo, setor fortemente afetado pela pandemia no Brasil, com queda histórica de 36,7% em 2020, levará dois anos para recuperar e só voltará aos níveis pré-pandemia no primeiro trimestre de 2023, segundo projeções empresariais.

A previsão é da Confederação Nacional do Comércio, Serviços e Turismo (CNC), que reduziu esta quinta-feira as projeções de crescimento para o setor do turismo em 2021, depois de o Governo ter confirmado que este segmento, juntamente com o dos Serviços, foram os mais afetados pela pandemia.

De acordo com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o setor de Serviços sofreu uma retração recorde de 7,6% em 2020 e essa queda foi ainda maior para as atividades turísticas, com queda de 36,7%.

Para o IBGE, o turismo brasileiro acumulou entre maio e novembro de 2020 um crescimento de 120,8% graças à sua reabertura gradual, mas ainda precisa se expandir mais 42,9% para voltar ao patamar de fevereiro, antes da crise sanitária.

A Confederação anunciou hoje que tais “quedas históricas” a obrigaram a reduzir a sua projeção para o setor de Serviços neste ano, de um aumento de 3,7% esperado até apenas um mês atrás para 3,5% agora calculado.

“Especificamente em relação ao turismo, a tendência é que a receita real do setor caia 9,7% neste ano, com perspetiva de voltar ao patamar pré-pandemia apenas no segundo trimestre de 2023”, segundo um estudo divulgado pela entidade.

“O turismo tem sido o grupo de atividades mais afetado pela pandemia. Ao contrário do comércio e da indústria, que já alcançaram níveis de atividade superiores aos observados no início de 2020, o setor sofreu uma perda de quase 30% em relação à média de geração de rendimentos nos primeiros dois meses do ano passado”, acrescenta o relatório.

Para o presidente da Confederação, José Roberto Tadros, na revisão das projeções pesou “a lenta recuperação do nível de atividade dos serviços e as expectativas negativas para o desempenho da economia brasileira nos próximos trimestres”.

O dirigente alertou que a recuperação dos serviços e do turismo também está condicionada a um avanço mais rápido no processo de vacinação da população contra o novo coronavírus.

A Confederação estima que, nos últimos onze meses, entre março de 2020 e janeiro de 2021, o turismo brasileiro acumulou perdas de 274 mil milhões de reais (cerca de 42 mil milhões de euros).

Tais perdas obrigaram as empresas do setor a eliminar cerca de 397 mil empregos formais (com contrato de trabalho) em 2020, dos quais 211.100 correspondiam a empresas de bares e restaurantes, cerca de 90.700 a transporte rodoviário e 56.500 à hotelaria.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo maior número de mortos (234.850, em mais de 9,6 milhões de casos), depois dos Estados Unidos.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.355.410 mortos no mundo, resultantes de mais de 107,3 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Artigos relacionados
BrasilPolítica

Em dia de recorde de mortes por Covid-19 no Brasil, Bolsonaro fala contra uso de máscaras

BrasilPolítica

Covid-19: Senado do Brasil dá primeiro passo para que empresas comprem vacinas

BrasilSociedade

Acusada por falsa vacinação em Niterói, técnica de enfermagem vira ré

BrasilSociedade

Pandemia ensinou que hospital de campanha deve ser último recurso

Assine nossa Newsletter