Chefes da diplomacia dos países da União Africana em reunião anual a partir de hoje - Plataforma Media

Chefes da diplomacia dos países da União Africana em reunião anual a partir de hoje

A eleição dos novos comissários da União Africana (UA) será o ponto alto da reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da organização, que decorre hoje e quinta-feira, em antecipação à cimeira, marcada para o fim de semana.

A reunião anual do Conselho Executivo da organização irá juntar, este ano ‘online’, os ministros dos Negócios Estrangeiros e das Relações Externas dos 55 Estados-membros da organização.

O encontro, que antecede a cimeira de chefes de Estado e de Governo do próximo fim de semana, decorre durante dois dias em sessões à porta fechada, durante as quais serão aprovados vários relatórios e documentos técnicos, que irão integrar a agenda da cimeira.

Este ano, além dos habituais dos balanços anuais sobre a atividade da UA e dos seus órgãos executivos, os chefes da diplomacia africanos irão analisar um relatório sobre a resposta da organização à pandemia de covid-19 no continente.

O momento alto da reunião será, no entanto, a eleição para vários cargos nos órgãos executivos da organização, incluindo os seis novos comissários da União Africana, uma corrida na qual está a engenheira agrónoma angolana Josefa Leonel Correia Sacko.

A diplomata e atual comissária da UA para a Agricultura e Economia Rural, a única representante lusófona na lista de 25 candidatos pré-qualificados para cargos na comissão, vai procurar a reeleição para a mesma pasta, que passará também a integrar a Economia Azul e o Ambiente.

De acordo com a lista final de candidatos pré-qualificados, a que a agência Lusa teve acesso, a candidata angolana é a mais bem avaliada entre os quatro candidatos a esta pasta, com uma pontuação de 81.65%.

Os adversários de Sacko na corrida são representantes da Gâmbia, Uganda e Marrocos.

Serão ainda escolhidos quatro juízes para o Tribunal Africano dos Direitos Humanos e dos Povos, os seis membros do Comité Africano de Peritos sobre os Direitos e Bem-Estar da Criança, seis membros do Conselho Consultivo da União Africana sobre a Corrupção (AUABC) e o Presidente da Universidade Pan-Africana.

A nova Comissão da União Africana, a primeira a ser eleita após o processo de reforma iniciado em 2016 sob supervisão do Presidente ruandês, Paul Kagamé, terá menos comissários e será escolhida através de um novo sistema baseado no mérito.

A nova estrutura executiva da União Africana será composta por oito membros, incluindo um presidente, um vice-presidente e seis comissários, menos dois lugares do que na anterior comissão.

Para a presidência da comissão, o atual presidente e ex-ministro dos Negócios Estrangeiros do Chade, Moussa Faki Mahamat, recandidata-se sem oposição, mas precisa de conseguir dois terços dos votos dos países para se manter no posto.

O presidente e o vice-presidente da Comissão serão escolhidos apenas na cimeira de chefes de Estado e de Governo, que este ano decorre sob o tema “Artes, Cultura e Património: Alavancas para a construção da África que queremos”.

A União Africana integra 54 países, incluindo Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique e São Tomé e Príncipe, além da República Sarauí, e a sua presidência é ocupada rotativamente pelos países pelo período de um ano.

A organização reúne-se anualmente em assembleia ordinária em Adis Abeba, na Etiópia, onde tem a sua sede.

A cimeira deste ano, que deverá centrar as discussões na crise provocada pela pandemia de covid-19 no continente, marcará a passagem da atual presidência da África do Sul para a República Democrática do Congo (RDCongo).

Artigos relacionados
AngolaMundo

Novo presidente da UA valoriza realização da Bienal de Luanda

AngolaPolítica

João Lourenço felicita diplomata Josefa Sacko

MundoPolítica

União Africana reconduz presidente da Comissão e três dos seis comissários

MoçambiqueMundo

União Africana teve resposta "marginal" às crises em África em 2020

Assine nossa Newsletter