Covid leva 300 milhões em multas e taxas. Museus mais castigados - Plataforma Media

Covid leva 300 milhões em multas e taxas. Museus mais castigados

As maiores quebras na receita verificaram-se nos serviços relacionados com a deslocação de pessoas, como portagens, aviação e turismo. Encerramento de repartições públicas devido à pandemia fez o resto.

Os efeitos da crise sanitária nas receitas do Estado vão para além dos tradicionais impostos – o IRS, o IRC, o IVA ou o ISV. Há outra rubrica que conta para forrar os cofres públicos: a receita não fiscal e não contributiva. E também esta teve uma quebra acentuada devido à pandemia de covid-19.

De acordo com a síntese da execução orçamental da Direção-Geral do Orçamento (DGO) referente a 2020, no ano passado a receita não fiscal e não contributiva superou os 10,7 mil milhões de euros, representando uma queda superior a 11% face a 2019.

“A receita não fiscal e não contributiva regista uma diminuição de 1 755,1 milhões de euros, nomeadamente ao nível das taxas, multas e outras penalidades e da venda de bens e serviços correntes”, refere a DGO no documento divulgado na passada quarta-feira.

Leia mais em Dinheiro Vivo

Artigos relacionados
PortugalSociedade

Portugal tem o índice de transmissibilidade mais baixo da Europa

EconomiaPortugal

O lado escondido do vírus criou uma pobreza que não sabe pedir ajuda

PortugalSociedade

Cansaço, medo e ansiedade. O isolamento na cabeça dos jovens

PortugalSociedade

Nunca, em nenhum confinamento, os portugueses saíram tanto de casa como agora

Assine nossa Newsletter