Especialistas da OMS prontos para iniciar as investigações em Wuhan - Plataforma Media

Especialistas da OMS prontos para iniciar as investigações em Wuhan

Os especialistas da Organização Mundial de Saúde (OMS) reuniram-se com as autoridades chinesas antes de iniciarem as primeiras visitas a Wuhan, numa investigação com o objetivo de encontrar as origens do coronavírus. Até agora, presume-se que o início da pandemia tenha sido num mercado de alimentos.

O trabalho de campo foi programado para começar à tarde, depois de ser prejudicado por atrasos. A equipa irá visitar hospitais, bem como encontrar cientistas, socorristas e alguns dos primeiros pacientes a serem atingidos pelo então desconhecido coronavírus, que matou mais de dois milhões de pessoas em todo o mundo e provocou a queda da economia global.

A equipa da OMS, através da rede social Twitter, na noite de quinta-feira, divulgou que “as visitas incluirão o Instituto de Virologia de Wuhan, o mercado de Huanan e o laboratório Wuhan CDC”.

Acredita-se que no mercado de Huanan, que permanece fechado, tenha surgido o primeiro grande surto de Covid-19.

Enquanto isso, o Instituto de Virologia de Wuhan abriga uma instalação de testagem que foi transformada numa arma pelo ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, que até aos últimos dias no cargo defendeu a teoria infundada de que o vírus escapou dessas mesmas instalações.

O itinerário exato da missão permanece uma incógnita – tweets da OMS e dos especialistas são, até agora, a principal fonte de informação.

A missão altamente politizada foi afetada por atrasos, com a China a recusar o acesso até meados de janeiro, enquanto Washington exigia uma investigação “robusta e clara”.

Na quinta-feira, a China alertou os Estados Unidos contra a “interferência política” durante uma viagem que a OMS insiste em fazer e que estará fortemente ligada à ciência.

A China está desesperada para tirar o fôlego do jogo da culpa e, em vez disso, chamar a atenção para o manejo e a recuperação do surto no país.

Num tweet na noite de quinta-feira, o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que teve uma “discussão franca” com o ministro da Saúde da China, Ma Xiaowei.

“Pedi que os cientistas internacionais obtivessem o apoio, acesso e dados necessários, e a oportunidade de se envolverem totalmente com os seus colegas chineses”, disse.

Os especialistas deixaram uma quarentena de duas semanas na quinta-feira. A Comissão Nacional de Saúde da China afirma que 4.636 pessoas morreram no país como resultado do vírus.

O PIB do país cresceu 2,3% em 2020, a única grande economia a fazê-lo.

Em comparação, mais de 400.000 americanos morreram até agora, enquanto a doença atinge a sua população e economia, enquanto o Reino Unido atingiu as 100.000 mortes esta semana.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
Mundo

OMS anuncia programa que indemniza pessoas vacinadas com efeitos adversos

MundoPolítica

EUA vão pagar dívida de 200 milhões à OMS até final do mês

MundoSociedade

Novos casos de covid-19 diminuíram 16% na semana passada

Sociedade

Primeiro surto de covid-19 em Wuhan pode ter sido maior do que se pensava

Assine nossa Newsletter