Macau prepara lei sobre substâncias perigosas que prevê penas até três anos de prisão - Plataforma Media

Macau prepara lei sobre substâncias perigosas que prevê penas até três anos de prisão

O Governo de Macau anunciou hoje que vai avançar com uma nova lei para gerir substâncias perigosas, que prevê penas de prisão até três anos e multas até 500 mil patacas (51,7 mil euros).

A consulta pública sobre o “Regime Jurídico do Controlo de Substâncias Perigosas” arranca no sábado e prolonga-se até 08 de março, foi anunciado em conferência de imprensa.

“Tem-se presente a grande explosão no porto de Beirute, no Líbano” e a explosão de um camião cisterna de petróleo na autoestrada Wenling na China, “ambas ocorridas no ano passado e que causaram muitas mortes e danos materiais”, afirmou o secretário para a Segurança.

“Muitas vezes, estes acidentes estão relacionados com a falta de regimes legais adequados, a má gestão e a falta de consciência de segurança, pelo que a construção de um regime de gestão de substâncias perigosas em Macau está, de facto, intimamente relacionada com a vida da população e a segurança de pessoas e bens, requerendo efetiva atenção e participação ativa de todos os setores da sociedade e de todos os residentes”, justificou Wong Sio Chak.

O governante sublinhou ainda que, “com o rápido desenvolvimento da sociedade de Macau e as necessidades concretas de funcionamento dos diferentes setores de atividade, estes utilizam cada vez mais espécies de substâncias perigosas, trazendo, assim, maior potencial de perigo para a segurança da comunidade; ora, se essas substâncias não forem adequadamente manuseadas, podem provocar incidentes de segurança com consequências inimagináveis”.

Devido ao “alto risco de substâncias perigosas proibidas e à grande ameaça que representam para a segurança das pessoas”, o regime jurídico proposto contempla “a introdução de um novo tipo penas, o crime de produção, detenção ou transação de substâncias perigosas proibidas”, que, no limite, pode resultar numa pena de prisão até três anos, pode ler-se no documento.

No caso das sanções administrativas, as infrações podem custar entre dez mil e 500 mil patacas (mil e 51,7 mil euros), de acordo com a gravidade da conduta.

O secretário para a Segurança explicou aos jornalistas que o “estabelecimento dum regime sancionatório criminal e administrativo mais dissuasor” procura “garantir de que todas as partes envolvidas no fabrico, na gestão de armazenamento, no transporte e na utilização de substâncias perigosas cumpram os seus deveres”.

Além dos mecanismos de controlo previstos na nova legislação, o Governo de Macau salientou que “no projeto a longo prazo o objetivo é encontrar um terreno para construir um armazém permanente de substâncias perigosas, resolvendo, assim, de raiz, este problema”.

Para já, o Governo “escolheu o terreno do antigo centro de reabilitação de toxicodependentes” em Ká-Ho para a construção do depósito permanente”, adiantou Wong Sio Chak.

Artigos relacionados
EconomiaMacau

Activos da reserva financeira sobem para 620 mil patacas

MacauSociedade

Inquérito sobre talentos no exterior revela que maioria quer voltar a Macau

Grande BaíaMacau

Grande Baía: Governo de Macau quer encontrar mais estágios para jovens

MacauPolítica

Ho Iat Seng diz que eleições serão realizadas com sucesso

Assine nossa Newsletter