Biden acelera combate ao coronavírus nos Estados Unidos - Plataforma Media

Biden acelera combate ao coronavírus nos Estados Unidos

Recém-instalado na Casa Branca, Joe Biden dedicou o seu primeiro dia completo na Presidência, esta quinta-feira, à sua prioridade mais urgente: o combate à pandemia, que já ceifou mais de 400.000 vidas nos Estados Unidos

O democrata Joe Biden, que considera que “não há tempo a perder” na luta contra o coronavírus, planeia assinar dez decretos e outras diretivas para acelerar as campanhas de vacinação e deteção da doença.

“Por quase um ano, os americanos não puderam encontrar nenhuma estratégia, e muito menos uma abordagem integral para enfrentar a covid”, afirmou Jeff Zients, que coordena a resposta contra a pandemia do novo governo. “Tudo isso vai mudar”, disse à imprensa. 

Questionada nesta quinta-feira no canal CNN sobre o plano de vacinação herdado do governo Trump, a nova diretora de comunicação da Casa Branca, Kate Bedingfield, afirmou que este não possui “muitos detalhes”.

A nova gestão americana agradeceu nesta quinta à Organização Mundial da Saúde (OMS) pelo seu papel de liderança no combate à pandemia e garantiu o seu apoio financeiro, uma reviravolta de 180 graus na estratégia mantida pelo ex-presidente Donald Trump.

Os Estados Unidos, que anunciaram o seu regresso à OMS na quarta-feira, “tem a intenção de cumprir com as suas obrigações financeiras com a organização”, afirmou o imunologista Anthony Fauci numa reunião do conselho executivo da agência da ONU. 

Nas horas posteriores à tomada de posse na quarta-feira, Biden acabou com a saída dos Estados Unidos da OMS implementada por Donald Trump. 

Decidido a esclarecer as diferenças com o seu antecessor desde o princípio, o 46° presidente dos EUA também emitiu um decreto para tornar obrigatório o uso da máscara nos edifícios federais. 

O presidente alertou no seu discurso de posse que a covid-19 está prestes a alcançar sua “fase mais difícil e mortal” e pediu aos americanos que “deixem a política de lado” para enfrentar juntos este “inverno sombrio”. 

Biden, de 78 anos, espera convencer os congressistas republicanos a aprovar um novo pacote de estímulo de 1,9 triliões de dólares destinado a amenizar os efeitos da pandemia na economia. 

O plano inclui cheques para as famílias, fundos para reabrir escolas, dinheiro para agilizar testes e vacinas, efetivo para pequenas empresas e mais auxílio alimentício: as medidas devem evitar que o país se afunde ainda mais na crise.

– Primeira confirmação –

Biden também está esperançoso que os legisladores autorizem uma mudança radical na política migratória, questão-chave do mandato de seu antecessor. 

Depois de anular na quarta-feira um decreto que proibia a entrada nos Estados Unidos de cidadãos de países predominantemente muçulmanos, e de suspender a construção do muro na fronteira com o México, o presidente enviou ao Congresso um ambicioso projeto de lei de migração. 

Este texto proporciona um “caminho para a naturalização” dos mais de 10 milhões de imigrantes em situação irregular que vivem nos Estados Unidos.

Num sinal de que os tempos estão a mudar, o líder republicano do Senado, Mitch McConnell, que até há pouco tempo era um fiel aliado de Trump, prometeu trabalhar com Biden “sempre que for possível”. 

O Senado confirmou por uma grande maioria a nomeação de Avril Haines, ex-número dois da CIA, como diretora dos serviços de inteligência.

O Congresso deve continuar hoje com o processo de confirmação do gabinete de Biden, incluindo a de Antony Blinken à frente da diplomacia americana. 

Ao nível diplomático, alguns aliados e parceiros dos EUA já celebraram a chegada do novo presidente. A chanceler alemã Angela Merkel afirmou hoje que há chances de uma cooperação “mais ampla” com Biden do que com Trump, apesar dos pontos de discordância persistentes, especialmente sobre o polémico projeto do gasoduto russo Nord Stream 2.

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, será o primeiro líder estrangeiro a conversar com Biden, na sexta-feira. O diálogo deve abordar especialmente o projeto de oleoduto de Keystone, apoiado pelo Canadá, mas com o qual Biden prometeu acabar durante a sua campanha.

– “Multitarefa” –

Na política interna, o poder legislativo deverá tratar a questão do segundo impeachment de Trump.

A presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, deve anunciar a data em que os legisladores do Congresso enviarão a acusação do ex-presidente, instalado desde quarta-feira na Flórida.

O Senado estará encarregado de julgá-lo por “incitação à insurreição”. Este processo poderia atrasar a implementação das medidas apresentadas por Biden. “Confiamos que o Senado pode ser multitarefa”, disse na quarta-feira à noite a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki.

Artigos relacionados
MundoPolítica

Biden na tomada de posse com uma promessa: "Nasceu um novo dia na América". Ao vivo

MundoPolítica

No último dia, Trump concede perdões a 73 pessoas, incluindo Steve Bannon

MundoPolítica

Biden toma hoje posse como Presidente, com a cidade de Washington sitiada

Assine nossa Newsletter