É preocupante a “incapacidade” dos países africanos para resolver violência em Cabo Delgado - Plataforma Media

É preocupante a “incapacidade” dos países africanos para resolver violência em Cabo Delgado

A ministra das Relações Internacionais e Cooperação da África do Sul, Naledi Pandor, considerou hoje preocupante a “incapacidade” dos países da África Austral para encontrar uma solução conjunta para a violência armada no norte de Moçambique.

“A situação em Moçambique e a nossa incapacidade como SADC [Comunidade de Desenvolvimento da África Austral] em acordar o tipo de apoio conjunto que poderemos providenciar, continua a ser um enigma muito preocupante para nós, o Governo sul-africano”, declarou Naledi Pandor.

A chefe da diplomacia sul-africana sublinhou que Pretória “encetou todos os esforços possíveis junto do Governo de Moçambique e para delinear em conjunto uma agenda de apoio”, mas até ao momento ainda não foi possível “concretizar exatamente a natureza do apoio” que deverá ser dado ao Governo moçambicano, “seja através da Polícia, dos serviços de informação, ou mesmo através das Forças Armadas”.

A ministra das Relações Internacionais e Cooperação da África do Sul explicou ainda que a SADC vai realizar uma cimeira especial sobre “as incursões que temos acompanhado naquele país e as várias ações terroristas”, na província de Cabo Delgado, onde a violência armada está a provocar uma crise humanitária com cerca de duas mil mortes e 560 mil pessoas deslocadas.

“Estamos muito preocupados com a situação humanitária em Cabo Delgado, e recebemos um pedido da Cruz Vermelha em Moçambique para a África do Sul enviar ajuda humanitária de emergência, estamos a considerar os parcos meios de que dispomos e espero que através do Fundo de Renascença Africana possamos prestar alguma ajuda”, explicou a ministra sul-africana.

Naledi Pandor falava hoje numa videoconferência promovida pelo instituto de política internacional britânico Chatham House, com sede em Londres, sobre o papel regional e global da África do Sul.

Em dezembro de 2020, a África do Sul concluiu o terceiro mandato como membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas e em fevereiro deste ano termina a presidência de 12 meses da União Africana.

A violência armada na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, onde se desenvolve o maior investimento multinacional privado de África, para a exploração de gás natural, está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 560 mil pessoas deslocadas, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba.

Algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico desde 2019.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
MoçambiqueSociedade

Novo relatório da AI descreve violações de direitos humanos em Cabo Delgado

MoçambiqueSociedade

Quase um milhão de pessoas passa fome severa devido aos ataques em Cabo Delgado

MoçambiqueSociedade

Cabo Delgado: 670 mil deslocados e 950 mil enfrentam fome

MoçambiquePolítica

MDN prevê cerca de 60 formadores de “forças especiais” em Moçambique

Assine nossa Newsletter