Investigação da PJ provou ódio racial no homicídio de Bruno Candé - Plataforma Media

Investigação da PJ provou ódio racial no homicídio de Bruno Candé

A acusação do Ministério Público sobre o homicídio do ator Bruno Candé, morto a 25 de julho passado, ficou concluída. A investigação demonstra que houve motivação racial nesta morte

Bruno Candé Marques, ator, 39 anos, foi brutalmente assassinado a 25 de julho passado, pouco depois da uma da tarde, em plena luz do dia, na Avenida de Moscavide, em Loures, com quatro tiros disparados à queima-roupa por um homem de 76 anos, reformado, antigo auxiliar de limpezas de um hospital e presumivelmente ex-combatente na Guerra do Ultramar e que está em prisão preventiva, indiciado pelos crimes de homicídio qualificado e detenção de arma ilegal.

De acordo com a investigação da PJ e titulada pelo DIAP de Lisboa, foram identificados vários indícios fortes, quer com base em testemunhos, quer com base no perfil do suspeito, que esta morte teve motivação racial.

Leia mais em Diário de Notícias

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
BrasilLifestyle

Em aula online sobre racismo na USP, tenente-coronel da PM é chamado de 'macaco'

Cabo VerdeLifestyle

Primeira bailarina negra na Staatsballet Berlim luta contra o racismo no 'ballet'

BrasilSociedade

Juízes negros brasileiros unem-se contra desigualdade racial nos tribunais

BrasilDesporto

Funcionários denunciam suposto caso de racismo e assédio moral no Santos

Assine nossa Newsletter