Covid-19: UE inicia lançamento da vacina à medida que a nova variante do vírus se espalha - Plataforma Media

Covid-19: UE inicia lançamento da vacina à medida que a nova variante do vírus se espalha

A União Europeia começou o lançamento da vacina hoje, mesmo com os países do bloco a ser forçados a voltar ao confinamento, após o surgimento de uma nova variante da Covid-19, considerada mais infeciosa, que continua a espalhar-se pela Grã-Bretanha.

A pandemia já tirou a vida a mais de 1,7 milhões de pessoas e ainda está a proliferar em grande parte do mundo, mas o recente lançamento de campanhas de inoculação aumentou as esperanças de que 2021 possa trazer tréguas.

Horas antes da chegada das primeiras doses da vacina à França, o ministério da saúde de Paris confirmou na sexta-feira que detetou o primeiro caso da nova variante do vírus num cidadão que voltou da Grã-Bretanha.

Vários países relataram casos da nova variante, o que causou ansiedade nos serviços de saúde já sobrecarregados.

Enquanto algumas nações europeias procuram um retorno pós-Natal às duras restrições, a liderança comunista da China divulgou um comunicado onde saúda a “glória extraordinária” de como lidar com o vírus que surgiu na província de Hubei no ano passado, informou a agência de notícias estatal Xinhua.

Em todo o mundo, as pessoas estão a ser obrigadas a respeitar as diretrizes de distanciamento social, já que a Organização Mundial da Saúde instou as pessoas a não “desperdiçar” os “grandes sacrifícios dolorosos” que as pessoas fizeram para salvar vidas.

Nova variante

O primeiro caso francês da nova variante do coronavírus foi encontrado num cidadão residente na Grã-Bretanha que chegou de Londres a 19 de dezembro, informou o Ministério de Saúde francês.

São assintomáticos e estão isolados em casa, em Tours, no centro da França, e o rastreamento de contatos foi feito para os profissionais de saúde que os trataram.

A nova estirpe do vírus, que os especialistas temem ser mais contagiosa, levou mais de 50 países a impor restrições de viagens no Reino Unido, onde surgiu pela primeira vez.

Mas casos da nova variante ainda foram relatados em todo o mundo: na sexta-feira, o Japão confirmou cinco infecções em passageiros do Reino Unido, enquanto casos também foram relatados na Dinamarca, Líbano, Alemanha, Austrália e Holanda.

A África do Sul detetou uma mutação semelhante em algumas pessoas infetadas, mas na sexta-feira negou as afirmações britânicas de que a sua variante era mais infeciosa ou perigosa do que a originária do Reino Unido.

O fecho da fronteira do Reino Unido com a França por 48 horas levou a um congestionamento de cerca de10.000 camiões no sudeste da Inglaterra, com motoristas presos por dias durante o período festivo.

Novas restrições

Alguns países que tinham retirado algumas das restrições para o Natal impuseram-nas novamente – a Áustria, por exemplo, terá um toque de recolher imposto de sábado até 24 de janeiro.

Milhões no Reino Unido foram afetados por um aumento das restrições – de acordo com a BBC, mais de 40% da população da Inglaterra é agora afetada pelas medidas mais rígidas – que incluem o fecho de todas as empresas não essenciais e uma limitação de contatos sociais.

Novos bloqueios também começaram na Escócia e na Irlanda do Norte no sábado. O País de Gales também voltou a impor restrições depois de as ter retirado para o Natal.

Mais de 25 milhões de infeções foram registadas na Europa, de acordo com uma contagem da AFP na sexta-feira.

Esperança de vacina

A vacinação em todos os 27 países da União Europeia vai começar no domingo, depois dos reguladores terem aprovado a vacina Pfizer-BioNTech a 21 de dezembro.

Enquanto a implantação da vacina está em andamento em todo o mundo, o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou na sexta-feira:

“As vacinas estão a oferecer ao mundo uma saída. Mas vai levar muito tempo até o mundo inteiro estar vacinado.”

A mensagem de Natal do Papa Francisco também fez referência ao assunto, com um apelo por “vacinas para todos”.

“Apelo a todos, aos líderes dos estados, às empresas, às organizações internacionais, para promover a cooperação e não a competição, para encontrar uma solução para todos … especialmente os mais vulneráveis ​​e necessitados em todas as regiões do planeta,” disse.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
MundoPortugal

Vacinação antiCovid deve basear-se "no risco e não na nacionalidade"

EconomiaMundo

UE: Migrantes “vão ser peões essenciais” na revitalização económica

MundoPortugal

UE: Acordo para reconhecimento mútuo dos testes rápidos facilita circulação

ChinaHong Kong

Parlamento Europeu lamenta acordo de investimentos com a China

Assine nossa Newsletter