Fim de missão política da ONU na Guiné-Bissau é decisão acertada

Fim de missão política da ONU na Guiné-Bissau é decisão acertada

O antigo representante do secretário-geral da ONU para a Guiné-Bissau José Ramos-Horta afirmou que o final da missão política das Nações Unidas no país é uma “decisão acertada” e que o grande desafio agora é o diálogo político

“Eu creio que foi uma decisão acertada por parte da ONU de finalmente desalojar-se da Guiné-Bissau enquanto missão política, porque as agências todas vão manter-se, fazem imensa falta, e levam apoio concreto às comunidades”, afirmou José Ramos-Horta à Lusa.

O Gabinete Integrado da ONU para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau (Uniogbis) termina no próximo dia 31, depois de mais de 20 anos no país.

“A questão agora é o grande desafio político para as autoridades guineenses, partidos políticos, talvez com apoio da CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental) ou da União Africana para se sentarem à mesa e encontrem um ‘modus vivendi’ entre o PAIGC (Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde) e outros partidos com quem hoje detém o poder”, salientou o antigo chefe de Estado timorense.

José Ramos-Horta foi representante do secretário-geral da ONU em Bissau entre janeiro de 2013 e junho de 2014.

“Quem detém o poder hoje, e apesar de algumas questões levantadas no passado sobre irregularidades das eleições, impôs-se, foi reconhecido pela CEDEAO, União Africana, Portugal e é preciso trabalhar com quem está no poder e quem está no poder deve procurar inspirar-se, gerir-se pelos princípios do Estado de Direito, democracia dos direitos humanos”, disse.

José Ramos-Horta salientou também que se deve ter o “máximo de respeito pela santidade da vida humana” e “máximo respeito pela dignidade das pessoas”.

Nesse sentido, o também Nobel Paz pede para não haver “perseguição política aos governantes anteriores”.

“É preferível para o atual Governo relaxar a pressão política sobre a oposição, deixar sair quem queira sair livremente, porque isso também constitui menos pressão e dissabores para o Presidente e para o Governo”, sublinhou.

O antigo primeiro-ministro guineense Aristides Gomes está refugiado na sede da ONU, em Bissau, há vários meses e está a ser alvo de vários processos judiciais, que os seus advogados consideram ser uma “perseguição política”.

“A situação, do que sei, de longe não é fácil na parte económica e social e a verdade é que de uma maneira geral globalmente do mundo nenhum de nós, Estados frágeis, podem contar muito com a generosidade internacional, porque países como Portugal e outros pela Europa fora e os Estados Unidos estão a braços com os efeitos da pandemia na sua própria população e crise económica”, disse.

Para Ramos-Horta, é preciso que os países mais frágeis deem o exemplo de respeito rigoroso pelos “princípios democráticos e Estado de Direito”, caso contrário, terão menos chances de conseguir “convencer a União Europeia, os Estados Unidos, e outros” a prestar apoio.

“Vão ser anos muito difíceis para todos nós, incluindo para Timor-Leste”, disse.

Nas declarações à Lusa, José Ramos-Horta pediu também ao Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, para mostrar a “sua grandeza de alma” e iniciar uma “nova era de solidariedade e de diálogo para a grande família guineense”.

“Converse com Domingos Simões Pereira e todos os outros, converse, porque pode ser o Sissoco que afinal vai conseguir trazer todos debaixo de uma grande tenda e conversarem e de uma vez para sempre estabilizar a Guiné-Bissau politicamente”, sublinhou, lembrando o potencial do país.

A missão da ONU sai numa altura em que o país atravessa uma nova crise política com o Presidente a admitir dissolver o parlamento e convocar eleições legislativas antecipadas.

O chefe de Estado admitiu na quarta-feira em Bissau ter convocado para hoje os partidos políticos e o Conselho de Estado para analisar a eventualidade da dissolução do parlamento, depois de já ter feito críticas à atuação de alguns deputados.

Na sexta-feira, a Procuradoria-Geral da República guineense, anunciou que emitiu um mandado de captura internacional contra Domingos Simões Pereira, que é alvo de um processo-crime, mas sem especificar de que crime se trata.

Related posts
MundoSociedade

Relatório da ONU aponta para "agravamento dramático" da fome no mundo em 2020

Mundo

ONU alerta que seca pode ser “a próxima pandemia”

BrasilPolítica

Brasil entre os eleitos para o Conselho de Segurança da ONU

EconomiaMoçambique

ONU investe no empoderamento da raparigas na Zambézia

Assine nossa Newsletter