Youtuber brasileiro é um dos mais influentes do mundo para a revista Time - Plataforma Media

Youtuber brasileiro é um dos mais influentes do mundo para a revista Time

Com mais de 60 milhões de seguidores nas redes sociais, Felipe Neto é hoje uma das vozes mais poderosas do Brasil em defesa da democracia, contra as fake news e a ideologia do ódio. Foi considerado uma das 100 personalidades mais influentes do mundo pela revista Time

O youtuber e empresário Felipe Neto, de 32 anos, é um exército de um homem só. Não que não tenha gente gabaritada ao seu lado lhe assessorando e dando assistência. Mas sua voz, hoje, é uma das mais poderosas do País em favor da consciência digital e contra as fake news, a ideologia do ódio e a vontade autoritária do governo federal. E o que ele fala tem grande repercussão. Seu discurso simples e juvenil vem seduzindo as mentes e conquistando gente de todas as idades desde que ele publicou o primeiro vídeo no YouTube, há 10 anos.

Do alto de sua tribuna digital, turbinada agora por uma audiência de 40.8 milhões de inscritos no YouTube, 12,7 milhões de seguidores no Twitter e mais 13,2 milhões no Instagram, ele influencia gente de todas as idades no Brasil e no mundo com postagens ora divertidas, ora críticas e sempre perspicazes. Ele se declara, com humildade, como um criador de vídeos de entretenimento, mas é incrível o prestígio que conquistou até agora. Neto transita de tutoriais do jogo Minecraft para discussões políticas de alto nível. E, atualmente, é um desafeto preferencial do presidente Jair Bolsonaro e de seus filhos.

Há três meses, depois de ser capa da ISTOÉ como uma das principais jovens lideranças globais da atualidade, ao lado de Greta Thunberg e de Malala Yousafzai, Nobel da Paz em 2014, Neto foi considerado uma das 100 personalidades mais influentes do mundo pela revista Time. Além dele, de brasileiro na lista, só tinha Bolsonaro. “Sou apenas um criador de vídeos de entretenimento que dá sua opinião pessoal no Twitter sobre o que acontece ao meu redor”, afirma. 

Leia mais em ISTOÉ

Artigos relacionados
AngolaChina

Personalidades de Angola, Moçambique e China entre os 25 nomes do petróleo em África

BrasilSociedade

Fundação cultural afro-brasileira retira ex-ministra da lista de personalidades negras

Assine nossa Newsletter