Um futuro sem esferovite

Um futuro sem esferovite

Na semana passada, o Governo da Região Administrativa Especial de Macau publicou em Boletim Oficial uma medida que visa proibir a importação e trânsito de utensílios de mesa descartáveis de esferovite, para se tornar efetiva a partir de 1 de janeiro de 2021. O PLATAFORMA foi perceber de que forma esta medida impacta a restauração e o ambiente, já que as caixas de esferovite são compostas por um plástico à base de petróleo que pode levar cerca de 500 anos a decompor.

Apesar do Governo não incluir as caixas de plástico, Larry Drinkwater, ativista ambiental e dono do café Larry’s Place, no Beco do Gonçalo, considera a proibição uma vitória enorme para o ambiente. “Podem achar que é um passo pequeno, mas quem já realizou limpezas às praias entende a seriedade da ameaça que as caixas de esferovite representam, até mais do que as caixas de plástico”, salientou. 

A opinião é partilhada por Gilberto Camacho, ambientalista e membro do grupo Econscious, sediado em Macau, que alertou o PLATAFORMA para os problemas inerentes ao material. “A esferovite e o plástico são dois materiais que demoram várias dezenas ou até mesmo centenas de anos a desintegrar-se no meio ambiente. Ambos são tóxicos e entram na cadeia alimentar. No entanto, a esferovite acaba por ser um material mais chato porque desfaz-se em migalhas e a sua recolha nos mares é mais morosa e complexa”, explicou. 

De acordo com a Direção dos Serviços de Proteção Ambiental de Macau (DSPA), o material nem é reciclado no território. “Por agora não reciclamos o material, mas não excluímos essa possibilidade”, explicou ao  Chan Kwok Ho, chefe do Centro de Gestão de Infraestruturas Ambientais. O director da DSPA, Raymond Tam, em declarações à edição chinesa da Rádio Macau, apontou que a taxa de utilização da esferovite não suscita grandes preocupações. “O uso deste utensílio ocupa uma percentagem reduzida”, revelou.

Dos vários restaurantes que entrevistámos, o Blissfull Carrot destaca-se como o estabelecimento mais “verde”, utilizando apenas utensílios de mesa biodegradáveis. O PLATAFORMA conversou com gerente Emily Smith, que felicita o “grande passo” dado pelo Governo. “Durante algum tempo fomos o único restaurante a adotar esta posição”, afirmou.

A restauração tem adotado, cada vez mais, utensílios que não sejam (tão) danosos para o ambiente, de forma a servir melhor o planeta. Emily tem testemunhado essa evolução ao longo do tempo. “Vejo cada vez mais restaurantes a adotar medidas sustentáveis. Alguns estabelecimentos utilizam palhinhas de papel ou biodegradáveis, outros perguntam às pessoas se têm as suas próprias caixas para levar a comida, entre outros exemplos”.

Porém não escondeu a preocupação de que os restaurantes optem por soluções igualmente nefastas para o ambiente. “A maioria dos restaurantes vai enveredar por uma alternativa que tenha custo semelhante e uma dessas alternativas é o plástico. Não concordo, mas compreendo do ponto de vista financeiro. É um material muito barato comparando com as soluções que adotamos aqui no Blissfull Carrot. As pessoas estão educadas para pensar no lucro e não no ambiente”, lamenta. 

No restaurante de Hou Kee, é isso mesmo que vai acontecer. O estabelecimento situado na Travessa dos Anjos apoia a decisão governamental e considera que, apesar das caixas de plásticos serem um pouco mais caras, o preço continua a ser aceitável. “Para nós não há problema em trocar de produto”, disse Hou Kee.

No entanto, “não se pode pensar apenas nos números”, como desabafa o chef do restaurante O António, David Abreu. “Temos de olhar para o futuro”, acrescentou. O restaurante utiliza caixas de cartão para take-away e tem evitado o uso de plástico ao máximo, tal como o Larry´s Place. David considera que faz parte do rumo à sustentabilidade optar por soluções mais viáveis para o ambiente e que os estabelecimentos têm de se habituar a isso e “seguir em frente”. 

Gilberto Camacho explicou como cada um de nós, vendedor e consumidor, pode fazer a diferença, sem intervenção do Governo. O primeiro apelo passa pela reutilização “tanto quanto possível” das caixas de take-away. Do lado do consumidor, “levar de casa um recipiente é a solução ideal”. Do lado do vendedor, “se optar por uma política semelhante à dos sacos de plástico em que se cobra um valor ao consumidor, é uma solução que deve ser aplicada”, aconselhou.

A DSPA estuda agora a possibilidade de banir a importação de palhinhas. David Abreu acredita que nem sempre é necessário recorrer a imposições, realçando o importante papel do Governo em sensibilizar a população para as questões ambientais, “promovendo a sustentabilidade através de vários meios, como a televisão”.

Porém, Gilberto Camacho indica que o fator tempo será muito importante. “O tempo urge. Temos de ser mais rápidos a agir nesse sentido. Todos e não apenas o Governo. A destruição do planeta continua a acelerar e não a abrandar”, alertou.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Artigos relacionados
BrasilMundo

Perda de florestas mais velhas reduz diversidade da Mata Atlântica

Brasil

Brasil liderará tema de transição energética em diálogo das Nações Unidas

MoçambiqueSociedade

Elefantes assustam habitantes do sul de Moçambique

BrasilSociedade

Projeto plantará uma árvore para cada morte por covid-19 no Brasil

Assine nossa Newsletter