Letalidade policial é muito maior entre negros, revela estudo brasileiro - Plataforma Media

Letalidade policial é muito maior entre negros, revela estudo brasileiro

Um estudo divulgado nesta quarta-feira, 9, pela Rede de Observatórios da Segurança comprova que a letalidade policial é muito maior entre os negros. Dados levantados em cinco Estados – São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Ceará e Pernambuco – apontam que a população negra é a que mais morre pela polícia, seja em números absolutos ou proporcionalmente. Chamou a atenção dos pesquisadores a diferença gritante em alguns casos, o que para eles deixa claro que há racismo institucionalizado.

O número que mais impressionou foi o da Bahia, onde 97% dos 650 mortos pela polícia no ano passado eram negros. Em Pernambuco, esse dado também foi alarmante, chegando a 93%. “Hoje não dá mais para dizer que tem viés racial. A gente tem que dizer o nome exato que isso tem. Tem que dizer que existe racismo por parte do Estado”, afirma Silvia Ramos, coordenadora da Rede de Observatórios da Segurança e do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania.

A pesquisadora ressalta que os números dizem respeito apenas a mortes ocorridas em intervenções da polícia. “Esse tipo de problema de violência é muito específico. Não estamos falando de crimes contra patrimônio, de homicídios ocorridos em brigas de facções. Estamos falando de um agente da lei que produziu uma morte, sem considerar se depois foi julgado como legítima defesa ou não”, pontua Silvia. “Estamos olhando a cor dessas mortes, patrocinadas pelo Estado, seja contra um criminoso ou uma vítima inocente.”

Leia mais em IstoÉ.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
PortugalSociedade

Investigação da PJ provou ódio racial no homicídio de Bruno Candé

MacauSociedade

Estudo sobre discriminação publicado em revista internacional

LifestyleSociedade

Estudo identifica artigos de desporto que podem conter substâncias cancerígenas

BrasilSociedade

Impunidade é a principal causa da violência da polícia no Brasil

Assine nossa Newsletter