Estado suporta pelo menos 19% dos custos com a subida do salário mínimo - Plataforma Media

Estado suporta pelo menos 19% dos custos com a subida do salário mínimo

Governo vai devolver até 74 milhões da TSU paga. Exportadores, empresas com contrato com o Estado e sector social terão maiores compensações.

Ogoverno recuou na posição inicial e vai assegurar afinal, no próximo ano, contrapartidas pela subida do salário mínimo aos 665 euros, comprometendo-se a suportar, pelo menos, quase um quinto do aumento de custos para as empresas, segundo cálculo do Dinheiro Vivo com base nos dados avançados pelo governo.

Este será o resultado direto do compromisso assumido ontem pelo ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, e da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, junto dos parceiros sociais, e no quadro de uma nova medida de apoio que prevê a devolução “aproximadamente ou na totalidade” do crescimento dos encargos com a Taxa Social Única em resultado do aumento em 30 euros do salário mínimo em 2021.

“Não está em causa a isenção de TSU ou diminuição de TSU. Está em causa o pagamento às empresas com trabalhadores em salário mínimo de um montante fixo que ajude a cobrir os encargos resultantes desses aumentos ao longo deste ano”, explicou Siza Vieira, após reunião da Comissão Permanente de Concertação Social em foi confirmado o valor de aumento do salário mínimo. O governo, disse, espera pagar o apoio durante o primeiro trimestre, logo para a totalidade dos encargos adicionais anuais.º

Leia mais em Dinheiro Vivo

Artigos relacionados
EconomiaPortugal

Governo português quer função pública de volta ao salário mínimo

EconomiaPortugal

Governo dá luz verde a novo salário mínimo de 665 euros

EconomiaPolítica

Salário mínimo vai ter aumento de 30 euros em 2021

EntrevistaMundo

“Possibilidade de não existir salário mínimo na UE hoje existe”, diz Vieira da Silva

Assine nossa Newsletter