Preços dos alimentos no mundo têm a maior subida em seis anos - Plataforma Media

Preços dos alimentos no mundo têm a maior subida em seis anos

Os preços globais das commodities alimentares aumentaram acentuadamente em novembro para o nível mais alto em quase seis anos, disse a agência alimentar da ONU na quinta-feira, devido em parte às condições climáticas adversas.

A Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO) disse que os preços dos alimentos mais comercializados globalmente subiram generalizadamente, colocando uma pressão extra em particular sobre 45 países que precisam de ajuda externa para alimentar suas populações.

O Índice de Preços de Alimentos da FAO teve média de 105 pontos durante o mês, alta de 3,9% em relação a outubro e 6,5% no ano anterior.

“O aumento mensal foi o mais acentuado desde julho de 2012, colocando o índice no nível mais alto desde dezembro de 2014”, disse a agência com sede em Roma.

O maior aumento foi no índice de preços do óleo vegetal, que saltou 14,5% por causa dos baixos stocks de óleo de palma.

O índice de preços dos cereais subiu 2,5 por cento em relação a outubro – quase 20 por cento mais alto do que há um ano.

Os preços de exportação do trigo também subiram, devido às perspectivas de colheita reduzidas na Argentina, assim como os preços do milho, com expectativas de produção mais baixas nos EUA e na Ucrânia e grandes compras da China, disse a FAO.

O índice de preços do açúcar subiu 3,3 por cento no mês a mês em meio a “expectativas crescentes de um déficit de produção global”, já que o mau tempo gerou perspectivas de safra mais fracas na UE, Rússia e Tailândia.

Os preços dos lácteos também subiram 0,9 por cento, para quase a maior alta em 18 meses, em parte por causa do boom nas vendas na Europa. Os preços das carnes subiram 0,9 por cento em relação a outubro, mas caíram significativamente em relação ao ano anterior, disse o relatório.

O aumento dos preços é um peso extra para aqueles que viram os rendimentos cair como resultado da pandemia do coronavírus, que a FAO disse estar a mostrar-se “um importante impulsionador dos níveis de insegurança alimentar global”.

“A pandemia está a exacerbar e intensificar as condições já frágeis causadas por conflitos, pragas e choques climáticos, incluindo os recentes furacões na América Central e inundações em África”, disse.

“Quarenta e cinco países, 34 deles na África, continuam a necessitar de ajuda externa para alimentos”, disse.

Além disso, observou um risco de chuvas acima da média no sul da África e no Leste Asiático, enquanto partes do Oriente Médio e da África Oriental esperavam chuvas reduzidas, “condições que podem resultar em choques adversos de produção”.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
LusofoniaSociedade

Angola, Cabo Verde e Guiné-Bissau são exemplo no combate à pobreza e subnutrição

MundoSociedade

Fome em Timor-Leste é alarmante. Guiné-Bissau, Angola e Moçambique com situações graves

BrasilSociedade

Pelo menos 10,3 milhões de brasileiros não têm o que comer diariamente

MundoPlataforma Sabores

WWF denuncia desperdício alimentar enquanto 820 milhões de pessoas passam fome

Assine nossa Newsletter