Novo confinamento e recolher obrigatório ameaçam "asfixiar" empresas

Um novo confinamento e recolher obrigatório ameaçam “asfixiar” empresas

A Confederação Empresarial de Portugal (CIP) avisou hoje que um eventual novo confinamento e recolher obrigatório ameaçam “asfixiar as empresas”, causando mais desemprego e falências, e apelou ao Governo para que aplique “apenas medidas cirúrgicas”.

“A CIP apela ao Governo para que aplique apenas medidas cirúrgicas e nunca, em caso algum, limitações e constrangimentos gerais, genéricos e de duração imprevisível que afetam, num só golpe e de forma imediata, a confiança das pessoas e das empresas na economia”, manifestou a confederação, em comunicado, na véspera de uma reunião extraordinária do Conselho de Ministros, para definir novas medidas de controlo da pandemia, face ao aumento do número de casos e de óbitos por covid-19 em Portugal.

“Asfixiar as empresas com um contexto fortemente limitativo da sua atividade causará mais desemprego e mais falências, muitas delas irrecuperáveis ou de efeitos duradouros”, acrescentou a CIP, reconhecendo, porém, a importância da defesa da saúde pública.

Neste sentido, a confederação que representa o tecido empresarial português entendeu que devia fazer “um alerta sem precedentes” e pediu ao Governo que as medidas que venham a ser adotadas para responder à evolução da pandemia tenham em conta o impacto económico e financeiro “na vida das empresas e na manutenção dos postos de trabalho”.

“É fundamental que amanhã, sábado, o Conselho de Ministros saiba calibrar as regras de modo a proteger a saúde pública sem, no entanto, desvalorizar a proteção do emprego dos portugueses, sob pena de serem causados danos irreversíveis para Portugal”, defendeu o presidente da CIP, António Saraiva, na mesma nota.

Na primeira fase da pandemia, o aumento do desemprego e das falências atingiu milhares de empresas e de trabalhadores, lembrou a organização, deixando um aviso: “Este segundo choque será mais longo, violento e profundo. […] os efeitos serão ainda mais graves e ameaçam como nunca o coração produtivo do país e, portanto, a coesão social da nossa democracia”.

A confederação considerou, ainda, que as medidas adotadas na primeira fase da pandemia, que paralisaram o país, seguiram “um padrão excessivo”, comum em quase toda a Europa, com consequências que “estão à vista de todos” e um “significativo impacto negativo nas contas do Estado”.

A CIP reiterou, ainda, que as empresas portuguesas estão empenhadas no cumprimento das normas de segurança definidas pela Direção-Geral da Saúde. “Saiba e queira o Governo avaliar esta capacidade para evitar o estrangulamento da economia portuguesa”.

O primeiro-ministro, António Costa, recebe hoje, em São Bento, os partidos com representação parlamentar para procurar um consenso para a adoção de medidas imediatas de combate à pandemia de covid-19, que tem registado um continuado aumento em Portugal.

As medidas a tomar pelo Governo serão depois anunciadas por António Costa, no sábado, no final de uma reunião do Conselho de Ministros extraordinária.

Related posts
BrasilEconomia

Mais da metade das empresas não tem confiança na política econômica

EconomiaTimor-Leste

Covid-19: PR timorense promulga apoio a empresas durante quatro meses

EconomiaPortugal

"Portugal é o país das taxas e taxinhas." CIP pede mudanças fiscais para empresas

SociedadeTimor-Leste

Governo timorense aprova cesta básica universal para apoio a cidadãos

Assine nossa Newsletter