Início » Putin nega interferência nos assuntos dos EUA e admite aliança militar com China

Putin nega interferência nos assuntos dos EUA e admite aliança militar com China

Ontem, durante uma intervenção no clube internacional de debate Valdai, Putin desmarcou o seu país de qualquer interferência nos assuntos políticos dos EUA, admitiu a possibilidade de formar uma aliança militar com a China e ainda falou sobre a saída de Navalny de território russo para se tratar na Alemanha.

“Dizem que a Rússia trabalha ativamente, interfere ativamente” nas eleições presidenciais dos EUA, “digo que não interferimos”, responde.

Segundo o presidente russo, nenhuma das investigações realizadas oficialmente nos EUA foram conclusivas nesse sentido.

Apesar de não ver necessidade numa aliança militar com a China, o presidente não exclui essa opção e que é uma possibilidade no futuro, caso determine que seja preciso. “Teoricamente, é possível imaginá-la”, afirmou.

Até agora tem havido apenas uma “parceria estratégica”, da qual os dirigentes de ambos os países têm elogiado, mas a hipótese de formar uma aliança militar tem sido excluída.

Relativamente a Alexei Navalny, Putin assegurou que interviu diretamente, para permitir a viagem do opositor político até a Alemanha, onde recebeu tratamento depois de ter sido envenenado.

Putin detalhou que “solicitou imediatamente” ao procurador-geral russo que autorizasse o opositor a sair da Federação Russa, para ser tratado de urgência em Belim, apesar das “restrições “judiciais que, segundo disse, impediam Navalny de sair do país.

Contact Us

Generalist media, focusing on the relationship between Portuguese-speaking countries and China.

Plataforma Studio

Newsletter

Subscribe Plataforma Newsletter to keep up with everything!