China quer que o futebol seja 'ponte com o mundo' - Plataforma Media

China quer que o futebol seja ‘ponte com o mundo’

A China quer unir 1,4 mil milhões de habitantes através do futebol e, ao mesmo tempo, usar o desporto como “uma ponte para trabalhar com o resto do mundo”, disse um alto funcionário da FA.

O secretário-geral da Federação Chinesa de Futebol, Liu Yi, explicou à AFP o que está por trás do esforço agressivo do país para se tornar uma grande potência do futebol até 2050.

Sob o presidente Xi Jinping – descrito pela comunicação estatal como um “ávido torcedor de futebol” – o país mais populoso do mundo tem grandes planos de sediar e até mesmo de um dia ganhar uma Copa do Mundo.

Em raros comentários à comunicação internacional, Liu falou em “usar o futebol para motivar toda a nação”.

“O futebol é um belo jogo para educar a nova geração de jovens chineses e também para (ajudar) a nossa nação a se unir e ser mais coesa”, disse.

Assim como o sucesso da China nos últimos Jogos Olímpicos, Liu chamou o futebol de “outra ferramenta para unir uma nação e também demonstrar o que podemos oferecer.

“E o futebol, como eu disse, é uma ponte entre a China e o resto do mundo. Todo o mundo joga futebol.”

O tema surge num momento sensível, em que a China está envolvida numa série de disputas com países como os Estados Unidos, Canadá e Austrália, Liu reitera: “A China ainda está aberta”.

“E o desenvolvimento do futebol chinês precisa da ajuda de partes interessadas externas como a AFC (Confederação Asiática de Futebol), a FIFA e também outras federações, além de outras ligas.

“Definitivamente, vamos continuar com esse tipo de parcerias, trabalhando com todos os órgãos internacionais, marcas e acionistas”.

Metas de longo prazo

As ambições futebolísticas da China são marcantes para um país que chegou à Copa do Mundo apenas uma vez, em 2002, onde não conseguiu ganhar um ponto ou marcar um golo.

A China está em 76º lugar no ranking da FIFA e as suas chances de chegar à Copa do Mundo de 2022 do Qatar são duvidosas, demonstrando o quanto ainda falta para chegar ao topo.

Mas falando em Suzhou, onde a Super League chinesa está numa “bolha” para impedir o coronavírus, Liu disse que a falha na classificação não impedirá o país de atingir os objetivos a longo prazo.

“Ganhar uma vaga (no Qatar) significa muito para os chineses, para o país e também para a comunidade do futebol chinês, porque isso aumenta a confiança e motiva todos os acionistas e a comunidade do futebol a contribuir mais para o desenvolvimento do futebol chinês ,” salienta.

“Se falharmos, será um revés de curto prazo, mas o presidente do governo central (Xi) entende o desporto e sabe que desenvolver o futebol é um processo.”

Sustentabilidade sobre gastos

Além de construir uma infraestrutura para o futebol e reformar os sistemas de base, escolar e juvenil, a Superliga chinesa é parte crucial da determinação de ser uma superpotência no desporto-rei.

A liga ganhou as manchetes nos últimos anos, quando uma série de jogadores estrangeiros conhecidos – junto com treinadores – chegaram com contratos generosos e com taxas de transferência inflacionadas.

O médio ofensivo, Oscar, mudou-se do Chelsea para o Shanghai SIPG em 2017 pelo que ainda é o recorde asiático de 60 milhões de euros.

No entanto, a Federação Chinesa de Futebol introduziu medidas desde então, como um teto salarial, de forma a que a generosidade seja redirecionada para o desenvolvimento de jovens jogadores chineses.

“Queremos ser uma das principais ligas da Ásia, com certeza, o que provavelmente já somos, mas o ponto de referência não deve ser um grande gasto”, disse Liu.

“É uma questão de sustentabilidade.”

Liu admitiu que Oscar e outras estrelas do exterior, como os também brasileiros Hulk e Paulinho, deram um salto no perfil da Superliga chinesa.

“Mas isso (os estrangeiros caros) ajudaram no desenvolvimento dos jogadores locais? Essa é a nossa interrogação”, aponta.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
BrasilChina

Conselheiro de segurança de Trump no Brasil para acordo e campanha anti-China

ChinaEconomia

Fortuna dos bilionários chineses da Internet com crescimento recorde em 2020

ChinaFuturo

China atinge meta de construção da rede 5G para 2020

ChinaEconomia

Economia chinesa continua caminho de recuperação

Assine nossa Newsletter