'Olá, aqui é o Exército de Espanha. Você vai ter de ficar em quarentena" - Plataforma Media

‘Olá, aqui é o Exército de Espanha. Você vai ter de ficar em quarentena”

Esta é a mensagem que um espanhol pode agora ouvir no telemóvel enviada por militares recém-recrutados para localizar e rastrear pessoas expostas ao vírus em Espanha, o país mais atingido pela União Europeia

No quartel-general das Forças Armadas da Espanha, no centro de Madrid, há uma sala com uma placa na porta que diz “Departamento de vigilância epidemiológica”. Lá dentro, uma equipa de cerca de uma dúzia de pessoas, com auscultadores ligados, trabalha 12 horas por dia, sete dias por semana, cada uma fazendo entre 70 a 80 ligações diárias para identificar aqueles que entraram em contacto com alguém cujo teste deu positivo para a Covid-19.

“Sou um rastreador de contactos da região de Madrid. Consegui o seu número através de alguém que deu positivo. Em primeiro lugar, onde se encontra agora?” diz um dos militares, usando uma frase que repetirá ao longo do dia. “Você vai ter de ficar 10 dias de quarentena.” O governo de Sanchez definiu como prioritário ajudar as regiões mais atingidas. Mais de 2.000 soldados de diferentes ramos das Forças Armadas espanholas estão empenhados no trabalho árduo de rastrear a cadeia de contaminação numa tentativa de desacelerar a disseminação da Covid-19.

Muitos culparam a falta de rastreamento de contactos como uma das principais razões para o aumento brutal do número de casos em Espanha, onde cerca de 760.000 pessoas foram infetadas e quase 32.000 morreram.

É uma tarefa árdua que envolve telefonar para todas as pessoas que podem estar infetadas e que podem estar a transmitir o vírus. Às vezes isso pode significar uma reunião para fazer um teste, mas o principal é convencer essas pessoas a isolarem-se imediatamente de todos ao seu redor. A ideia é aliviar a pressão sobre o sistema de saúde da região de Madrid, que já se debate com o peso de novos casos Covid, explica o comandante Tomas Garcia, que também é enfermeiro, acrescentando que é “para dar mais tempo aos médicos”.

Numa manhã chuvosa de outubro, nove membros da Marinha estão sentados às suas mesas atrás de um painel de acrílico, falando baixinho ao telefone enquanto fazem anotações num computador. Recrutados para esta missão há apenas duas semanas, eles têm telefonado para todos os contactos fornecidos por indivíduos com teste positivo, tendo a lista de números sido enviada pelas autoridades regionais de saúde. O objetivo é ver com quem essas pessoas entraram em contacto para construir o chamado “mapa de infeções”. São obrigados a garantir o anonimato de alguém com teste positivo e, ao mesmo tempo, a falar com todas as pessoas com quem o infetado entrou em contacto. Não é fácil.

Artigos relacionados
PortugalSociedade

Covid fecha hotéis-escola e priva alunos dos estágios

PortugalSociedade

Vacina portuguesa para a covid-19 em fase de testes com ratinhos

PortugalSociedade

Portugal com mais 64 mortos e 4093 casos de covid-19

MundoSociedade

Empresas podem negar trabalho a quem não se quiser vacinar

Assine nossa Newsletter