Revisão constitucional do Chega prevê castração física de pedófilos

Revisão constitucional do Chega, partido português, prevê castração física de pedófilos

O projeto de revisão constitucional do Chega, entregue, esta terça-feira, no parlamento, prevê a remoção dos órgãos genitais a criminosos condenados por violação de menores, algo que em si mesmo encerra dúvidas de conformidade com a lei fundamental.

Segundo a iniciativa apresentada pelo partido populista, a que a Lusa teve acesso, a Constituição da República Portuguesa (CRP) passaria a permitir a “pena coerciva de castração física ou química a indivíduos condenados pelos tribunais portugueses por crimes de violação ou abuso sexual de menores, abuso sexual de menores dependentes e atos sexuais com adolescentes”, assim como a “pena de prisão perpétua para crimes especialmente graves, a definir em legislação especial”.

Fonte partidária disse à agência Lusa que a remoção dos órgãos genitais a sujeitos condenados por crimes sexuais só seria aplicada quando os métodos químicos se revelassem ineficazes e “sempre com o consentimento do arguido e total informação dos procedimentos”.

“Caso seja aceite pelo tribunal, a castração cirúrgica produzirá efeito de benefício na pena”, ou seja, o tempo de prisão seria reduzido, tratando-se de “uma pena acessória, mas que pode também representar, se aprovado em lei especial, um caso de remoção voluntária”.

A mesma fonte do Chega sublinhou que “a castração física existe em alguns estados norte americanos, como o Texas, por exemplo”.

Leia mais em Jornal de Notícias

Artigos relacionados
PolíticaPortugal

André Ventura admite "acordo escrito" do Chega com o PSD nos Açores

PolíticaPortugal

Marine Le Pen considera Ventura "grande líder político"

PolíticaPortugal

Ventura diz que Costa se revelou "tal como é" quando chamou cobardes aos médicos

Eleitos

"Não deixaremos passar em branco o que se passa no Novo Banco"

Assine nossa Newsletter