Polícia de Luanda admite que vítima atingida em invasão de esquadra era uma menor com 15 anos - Plataforma Media

Polícia angolana admite que vítima atingida em invasão de esquadra era uma menor com 15 anos

Uma menor de 15 anos morreu, na quinta-feira, vítima de disparo por um agente da Polícia Nacional, quando tentava dispersar alguns populares que invadiram à noite a esquadra da Petrangol, bairro dos Ossos, município do Cazenga, em Luanda

Os populares tentaram invadir a esquadra, em protesto contra a actuação da corporação por proteger no interior da unidade um suposto marginal, apurou o Jornal de Angola.  O porta-voz da Polícia Nacional em Luanda, inspector-chefe Nestor Goubel, informou ao Jornal de Angola que o caso ocorreu quando um grupo de indivíduos exaltados levou, para o Posto Policial dos Ossos, território operacional da esquadra da Petrangol, um presumível meliante acusado de prática de crime de roubo.

Por volta das 21 horas, os indivíduos insatisfeitos pela forma como o caso estava a ser tratado insurgiram-se contra os agentes da Polícia Nacional em serviço e na tentativa de os dispersar, um dos efectivos “disparou para o ar com uma pistola, cuja bala fez ricochete e atingiu o tórax de Helena Sebastião Mussunda, 15 anos”, disse Nestor Goubel.

De acordo com o porta-voz da Polícia Nacional em Luanda, a vítima encontrava-se no meio da multidão que corria de forma desordenada no meio da rua e “nem se apercebeu que tinha sido atingida pela bala dispersa, acabando, minutos depois, por cair na rua”. Devido a essa situação, um grupo de indivíduos regressou enfurecido e invadiu o Posto Policial e ateou fogo, sendo extinto minutos a seguir após a intervenção das forças destacadas na unidade.

Leia mais em Jornal de Angola

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
AngolaPortugal

Luso-angolano Carlos São Vicente pede impugnação de prisão preventiva e contesta congelamento de bens

AngolaSociedade

Funeral de jovem manifestante morto em Luanda realiza-se sábado

AngolaPolítica

João Lourenço: "Manifestações não têm de acabar em violência"

AngolaEconomia

Privatização da TAAG prevista para 2022

Assine nossa Newsletter