Como os japoneses fizeram renascer a tradição algarvia da pesca do atum - Plataforma Media

Como os japoneses fizeram renascer a tradição algarvia da pesca do atum

A armação é como um recife artificial: captura os atuns-rabilhos que regressam do Mediterrâneo, onde foram desovar, e mantém-nos nas piscinas de engorda até atingirem a qualidade desejada. A Tunipex, projeto luso-nipónico, consegue assim ter peixe de alto nível para exportar até para o Japão. E respeitando as quotas que protegem a espécie do risco de extinção

Ograsnar das gaivotas é quase ensurdecedor, mas são poucas as cavalas que conseguem roubar aos atuns. Um tubo largo expele o peixe miúdo até alguns metros de profundidade e, apesar de as águas algarvias estarem turvas, um olhar mais atento deteta os vultos dos atuns-rabilho, enormes, a passar junto ao Guentaro Maru.

A bordo estão uns 30 pescadores, alguns de fato de mergulho. Tanaka Hajime é um dos que vestem de borracha negra, que deve estar escaldante nesta manhã de verão, 2,5 milhas náuticas a sul da Fuzeta, ao largo da ilha da Armona, que é onde está ancorada a armação da Tunipex. Os nomes do barco e do mergulhador devem estar a dar a ideia de que se trata de um projeto japonês, desse país asiático que venera na sua gastronomia o atum de alta qualidade, a ponto de serem notícia no mundo inteiro os leilões no mítico mercado de Tsukiji, em Tóquio, entretanto encerrado. Mas se a empresa-mãe é de facto japonesa, já a Tunipex nasceu de uma parceria entre portugueses e japoneses, e se por um lado, usa material nipónico, por outro segue a tradição algarvia de pesca de armação, que tinha desaparecido nos anos de 1970, quando também sumiram os atuns-rabilhos.

Leia mais em Diário de Notícias.

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
AngolaEconomia

Setor das Pescas em Angola concede licença a milhares de embarcações

PortugalSociedade

Autoridades pedem ajuda para reduzir mosquitos transmissores da dengue detetados no Algarve

ChinaMundo

Greenpeace acusa navios chineses de "pilhagem" ao Senegal através da pesca ilegal

PortugalSociedade

Migrantes marroquinos fugiram do quartel em Tavira. Quatro já foram localizados

Assine nossa Newsletter