Aumento do desemprego expõe precariedade dos trabalhadores migrantes

Aumento do desemprego expõe precariedade dos trabalhadores migrantes

Milhares de trabalhadores oriundos do interior chinês procuram diariamente emprego em Kanglecun, um emaranhado de ruas e becos situado no sul de Cantão, ilustrando o impacto da pandemia entre os mais vulneráveis da sociedade chinesa.

“A maioria das pessoas que vieram trabalhar para Cantão estão nesta área”, explicou Jiang Shaojian, de 46 anos, à agência Lusa. “A maioria tem agora pouco que fazer, estão praticamente desempregados”, descreveu.

Cantão é a capital de Guangdong, província situada no extremo sudeste da China e que faz fronteira com Macau e Hong Kong. Jiang faz parte de um fluxo de milhões de trabalhadores do interior do país que rumaram a Guangdong, à medida que a província se converteu na fábrica do mundo, mas cuja pandemia da covid-19, que afetou os principais mercados de exportação da China, deixou numa situação precária.

Numa altura em que vários países aumentaram os apoios sociais a desempregados e pequenos negócios, na China, a crise económica tornou mais evidente o contraste entre as suas cidades modernas e infraestrutura de classe mundial, e uma rede de segurança social semelhante a países muito mais pobres.

Nos edifícios de Kanglecun, casas partilhadas por operários ficam paredes-meias com oficinas de têxteis, estofadores ou fabricantes de bijuterias. Nas ruas, homens e mulheres sentam-se nos passeios, onde exibem cartolinas com as respetivas qualificações e experiência profissional, visando atrair empregadores.

Ao cair da noite, as ruas enchem-se de rostos cansados e dialetos impercetíveis, tuk-tuks transportam famílias inteiras, que vão chegando do fim de uma jornada de trabalho.

“As pessoas da minha geração que trabalham fora têm de olhar pelos familiares mais velhos e pelos mais jovens também. Não podemos parar de trabalhar: precisamos de dinheiro para nos mantermos, mas também para enviar para as nossas famílias”, contou Jiang. “Salvaguardar a família é essencial”, realçou.

Kristen Looney, professora assistente de Estudos e Governação da Ásia, na universidade norte-americana de Georgetown, lembrou à agência Lusa, no entanto, que a China esteve na “mesma posição”, quando, durante a crise financeira internacional de 2008, cerca de 20 milhões de trabalhadores migrantes ficaram desempregados, sobretudo em Guangdong.

Pequim adotou então um pacote de estímulos avaliado em 564 mil milhões de dólares, “direcionado sobretudo para o desenvolvimento do interior do país”, assinalou Looney, que é especialista em política comparada e economia política da China e do leste asiático.

No espaço de uma década, enquanto as economias desenvolvidas estagnaram, o país construiu a maior rede ferroviária de alta velocidade do mundo, mais de oitenta aeroportos ou dezenas de cidades de raiz, alargando a classe média chinesa em centenas de milhões de pessoas.

“Se adotarem o mesmo caminho vão designar a maior parte do dinheiro para o desenvolvimento de infraestruturas e a criação de emprego nas áreas mais afetadas”, explicou. 

Além da construção de infraestruturas, Looney previu um aumento dos gastos no “apoio ao empreendedorismo e formação dos trabalhadores, através de crédito e empréstimos preferenciais, para que os trabalhadores migrantes voltem e permaneçam no campo, em vez de se tornarem dependentes das fábricas em Cantão e em outras cidades”.

Pequim está atenta: altas taxas de desemprego são politicamente sensíveis para o Partido Comunista, que teme acima de tudo instabilidade social.

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, apontou a dimensão do problema no mês passado, quando reconheceu que a taxa oficial de desemprego já atingiu os 6 por cento.

“O emprego é a maior preocupação na vida das pessoas. É algo de importância primordial para todas as famílias”, assinalou. “Muitas empresas de exportação não têm tido pedidos, o que afetou bastante os seus funcionários”, admitiu.

Natural da província de Hubei, onde o novo coronavírus foi detetado pela primeira vez em dezembro passado, Zhang, de 50 anos, e operário na confeção de têxteis numa fabriqueta em Kanglecun, está confiante na liderança comunista.

“Nós somos um país socialista, que apoia os camponeses. O Governo está particularmente preocupado com os trabalhadores migrantes”, observou à Lusa. “O secretário-geral Xi Jinping ama as massas populares. O Partido Comunista é muito bom”, disse. 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
MundoPolítica

Quase 200 mil migrantes chegaram à UE em 2021

MoçambiquePolítica

Situação em Cabo Delgado "continua muito delicada e sem perspetivas"

Grande BaíaMacau

Estudo revela que metade dos residentes quer trabalhar em Macau

MundoPolítica

Forças polacas usam gás lacrimogéneo contra migrantes

Assine nossa Newsletter