Grupo muçulmano dos EUA pede que NBA cesse a colaboração com a China - Plataforma Media

Grupo muçulmano dos EUA pede que NBA cesse a colaboração com a China

Muçulmanos pedem para NBA “ficar do lado certo da história” sobre as questões ligadas à opressão uigur em Xinjiang, que comparam aos abusos nazis de Adolf Hitler

O maior grupo muçulmano nos Estados Unidos acrescentou a sua voz aos que pedem que a NBA cesse as suas operações na China, numa carta ao comissário da liga, Adam Silver.

Na segunda-feira, o Conselho de Relações Americano-Islâmicas (CAIR) pediu que a NBA “fique do lado certo da história ao anunciar que encerrará todas as operações na China, a menos e até que o seu governo cesse a perseguição a milhões de pessoas inocentes”.

A comunidade islâmica exortou a NBA “a priorizar o seu‘ compromisso com a justiça social sobre os lucros ’, encerrando toda a colaboração com o Partido Comunista Chinês” até que o governo cesse aquilo a que consideram ser uma campanha de genocídio contra a minoria muçulmana uigur do país.

O CAIR “pediu especificamente que a liga cumprisse e verificasse a promessa de fechar a academia de treino na província de Xinjiang, encerrar a sua política de proibir os americanos de trazerem sinais que expressem apoio aos direitos humanos uigur nos recintos desportivos dos EUA e cessar todas as operações que beneficiam o genocida Governo chinês, incluindo a receita de transmissão de jogos e licenciamento de mercadorias”.

Nenhuma das 30 mensagens de justiça social pré-aprovadas pela NBA que os jogadores podem usar em vez dos seus nomes nas camisolas de jogo está relacionada à China ou aos uigures.

No entanto, foi confirmado que nenhum jogador solicitou mensagens relacionadas com a China, acordadas entre a liga e a Associação de Jogadores da NBA. Apenas um punhado de jogadores da NBA são muçulmanos praticantes, incluindo Enes Kanter, Gorgui Dieng, Dion Waiters ou Al-Farouq Aminu.

O CAIR cataloga as violações dos direitos humanos relatadas contra os muçulmanos uigur na região autónoma de Xinjiang, incluindo detenção em massa em campos, conversão e esterilização forçada. “A NBA continuando a operar na China sob estas circunstâncias seria semelhante a operar na Alemanha durante os anos 1930, quando o regime nazi de Adolf Hitler começou a perseguir cidadãos judeus antes do início do Holocausto.”

Este artigo está disponível em: English

Artigos relacionados
LifestyleMundo

Dwyane Wade fotografado sem saber durante pedido de casamento

DesportoMundo

Lakers vencem Heat e conquistam 17.º título na NBA, igualando os Celtics

DesportoMundo

Lakers estão a um passo do título da NBA após 10 anos de pesadelos

ChinaMundo

Grupo de 39 países exige à China respeito pelos direitos humanos em Xinjiang

Assine nossa Newsletter