Stella, cobaia da vacina de Oxford, teve de medir as picadas e manter um diário- Plataforma Media

Stella, cobaia da vacina de Oxford, teve de medir as picadas e manter um diário

Aos 35 anos, a neuropediatra brasileira Stella Pinto dos Santos está entre os 2.000 voluntários no Rio de Janeiro, dos quais 61% já tomaram a vacina produzida em Oxford. Na sua experiência como cobaia da Ciência sofreu com os efeitos secundários da vacina e passou a viver com o medo

O perfil de Stella se encaixou perfeitamente nos pré-requisitos listados em uma mensagem de Whatsapp espalhada pelos colegas da pediatria no fim de junho: profissional de saúde na linha de frente da Covid-19, entre 18 e 55 anos de idade, nunca pegou o vírus.

A ideia de ajudar o mundo na cura da pandemia a atraiu, assim como a possibilidade de se imunizar logo contra a doença. Foi fácil, portanto, a decisão de se inscrever nas fileiras de voluntários que ajudariam a testar a vacina feita pela Universidade de Oxford e pelo laboratório AstraZeneca.

O produto é o mais avançado até agora na corrida pela tão sonhada imunização, segundo a Organização Mundial da Saúde. As altas taxas de infecção e a expertise do Brasil na área geraram o interesse dos pesquisadores —assim como da farmacêutica chinesa Sinovac, que também já começou testes por aqui.

Aos 35 anos, a neuropediatra Stella Pinto dos Santos está entre os 2.000 voluntários no Rio de Janeiro, dos quais 61% já tomaram a vacina. São mais 2.000 em São Paulo e 1.000 em Salvador (com 85% e 36% imunizados até agora, respectivamente), além dos de outros países.

Leia mais em Folha de S.Paulo

Este artigo está disponível em: English

Related posts
MacauMundo

São ou não as vacinas perigosas a longo prazo?

MundoSociedade

Centro Europeu de Controlo de Doenças aceita vacinação em crianças

MundoSociedade

Especialistas recomendam autorização de pílula anticovid da Merck

MoçambiquePortugal

Embaixada de Portugal em Maputo anuncia voos de apoio ao regresso

Assine nossa Newsletter