Combates entre exército filipino e insurgentes islâmicos deixam 12 mortos - Plataforma Media

Combates entre exército filipino e insurgentes islâmicos deixam 12 mortos

Tropas filipinas e um grupo guerrilheiro muçulmano aliado do grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI) envolveram-se em confrontos com um balanço de pelo menos 12 mortos, dois dos quais soldados e dez militantes, informaram na quinta-feira responsáveis militares filipinos.

Uma força de infantaria atacou na quarta-feira uma base remota do grupo Dawlah Islamiyah perto da cidade de Datu Salibo na província de Maguindanao (sul do arquipélago), e que originou uma intensa troca de tiros.

Homens armados em regiões próximas da base juntaram-se aos militantes e prolongaram o confronto armado, impedindo as forças governamentais de capturarem mais membros do grupo militantes liderado pelo comandante rebelde Hassan Indal, informou o tenente-coronel Dingdong Atilano, porta-voz regional do exército.

Dois soldados foram mortos e 13 ligeiramente feridos, e com pelo menos 10 militantes mortos, prosseguiu Atilano, ao citar relatos das tropas e de habitantes locais.

A maioria dos membros deste grupo cindiu há alguns anos da Frente Moro de Libertação Islâmica, o principal grupo separatista muçulmano. Os líderes da Frente estão agora envolvidos na formação de uma nova região muçulmana autónoma após a assinatura de um acordo de paz com o Governo de Manila em 2014.

Pequenos grupos armados, incluindo o Dawlah Islamiyah e o Abu Sayyaf, consideradas organizações terroristas pelos Estados Unidos e as Filipinas, prosseguiram o combate contra o Governo no sul do arquipélago, onde se concentra a minoria muçulmana num país com larga maioria de população católica.

Em paralelo, as tropas filipinas combatem uma das mais antigas rebeliões comunistas do mundo, e que o Presidente Rodrigo Duterte afirmou pretender aniquilar durante os seus dois últimos anos no poder, e após sucessivos falhanços nas negociações de paz.

Artigos relacionados
Moçambique

Bispo de Pemba pede ajuda internacional - entrevista PLATAFORMA

Assine nossa Newsletter