Advogada de Nito Alves diz que angolano é alvo de perseguição - Plataforma Media

Advogada de Nito Alves diz que angolano é alvo de perseguição

A advogada do ativista angolano Nito Alves denuncia aquilo que considera ser perseguição contra o seu constituinte em Portugal, depois da abertura de um inquérito pelas autoridades portuguesas. Mariana Caboclo refere que o seu cliente apenas expressou a sua opinião

Recorde-se que Nito Alves foi detido na passada sexta-feira pela polícia portuguesa quando protestava em frente ao Consulado Geral de Angola em Lisboa quando foi interpelado pelas autoridades portuguesas, como se pode ver no vídeo. Foi libertado horas depois, mas acusa a polícia de ter sido humilhado na esquadra.

“Fui agredido pela polícia portuguesa quando exigia um salvo conduto, uma vez que perdi o meu passaporte, fui detido porque o consul chamou a polícia”, revelou o angolano ao portal noticioso Voa Português.

Nito Alves está a braços com outro processo em Portugal num caso que remonta a novembro do ano passado, precisamente na sequência de outra manifestação ocorrida em frente ao mesmo consulado.

O ativista está a ser processado pela secretária do cônsul angolano, Djamila Denise Carvalho Alberto, e pela sua assistente, Laura Lopes. Nito Alves terá, alegadamente, proferido palavras contra as autoridades angolanas, consideradas de insultuosas e caluniosas pelo consulado em Lisboa.

Entretanto, ontem, amigos de Nito Alves entregaram cartas a João Lourenço e ao novo embaixador de Portugal em Angola, Pedro Pessoa e Costa, a dizer que temem “pela integridade física e pela vida do mesmo” e que seja repatriado para Angola o quanto antes.

Apelo a João Lourenço pelo repatriamento de Nito Alves

Artigos relacionados
AngolaPolítica

Governo de Angola aprova crédito adicional de 218 ME para Saúde

AngolaEconomia

Portugal atento às novas regras bancárias para trabalhadores estrangeiros em Angola

AngolaEconomia

Trabalhadores estrangeiros obrigados a abrir conta em Angola para receber salários

AngolaPolítica

Angola acaba com Código do Processo Penal datado de 1929

Assine nossa Newsletter