“O governo chinês não está interessado em acabar com a comunidade católica clandestina” - Plataforma Media

“O governo chinês não está interessado em acabar com a comunidade católica clandestina”

O sinólogo italiano Francesco Sisci tem confiança no acordo provisório firmado entre o Vaticano e a República Popular da China. Sisci desvaloriza as fortes críticas dos que se opõe ao entendimento, embora reconheça incertezas face ao futuro. Os próximos passos deverão incluir nomeação de bispos e formação de padres, aponta Sisci, académico e comentador residente em Pequim há três décadas.

Plataforma – Nos últimos anos, o Professor Francesco Sisci tem acompanhado todo o processo deste acordo que é histórico. A seu ver, porque é que isto aconteceu agora?
Francesco Sisci: A razão fundamental é por ter havido uma aceleração nos últimos anos. Esta aceleração deve-se ao facto dos chineses perceberem pela primeira vez que o Vaticano não é um pequeno estado no mundo. Assim sendo, se a China se quer fortalecer, investir no “soft power”, não o poderá fazer sem o Vaticano. Esta é a razão do acordo se realizar agora e não há cinco ou vinte anos atrás.
– O papel do papa Francisco é crucial neste processo. Desde o início do seu papado, em 2013 que o Sumo Pontífice disse que a aproximação à China era uma prioridade. Além disso o facto de ser Jesuíta também foi um factor chave, certo?
FS – Sim, claro. Ele estava determinado em ganhar confiança dos chineses. Nas suas últimas declarações ele citou por várias vezes a obra “De Amicitia” de Matteo Ricci (missionário jesuíta na China no século XVI).
O papa Francisco compreendeu que a confiança e a amizade eram importantes. mais do que os anteriores Papas.
– Como sabemos, há um número de pessoas na Igreja que levanta sérias dúvidas acerca deste acordo, mostrando-se bastante cético. Como encara estas críticas?
F.S. – O papa teve na semana passada uma resposta muito apropriada. Ele (papa) disse que quando Deus pediu a Abraão para seguir o seu caminho, este (Abraão) não perguntou pelo estado do tempo. A principal razão é a confiança. Por muitos anos, muitas pessoas foram contra este acordo. Mas por muitos anos estas pessoas não apresentaram alternativas. A realidade é que este acordo poderia ter sido assinado há dez anos, vinte anos. Mas não foi. Este acordo pode ser um erro, poderá haver problemas. Mas apenas tentando é que saberemos ao certo. Definitivamente nada de mal irá acontecer.
– Os críticos apontam para os crescentes sinais de intolerância religiosa, com relatos de igrejas demolidas e cruzes derrubadas. O que pensa disto?
F.S. – Claro que esta situação não é a ideal. Por outro lado, ouvimos de igrejas a ser mandadas a baixo na Arabia Saudita? Não. Porque não há igrejas lá. Aqui ouvimos histórias de dezenas de igrejas a serem demolidas, mas isto esconde o facto de centenas de igrejas terem sido construídas nos últimos anos na China. Neste sentido, há uma renovação religiosa um interesse no Cristianismo na China.
-Os termos do acordo não foram revelados ao público. O que podemos esperar como passo seguinte?
F.S. – Eu penso que há muita coisa a fazer, muitos bispos a serem escolhidos, muitos padres a serem formados. E os dois lados comprometeram-se a trabalhar em conjunto. Eu penso que estes serão os próximos passos.
-O que irá acontecer à chamada igreja “clandestina”?
F.S. – Ainda há uns dias um dos principais bispos da igreja clandestina na China deu uma entrevista a manifestar apoio ao acordo. As duas comunidades, a comunidade católica patriótica e a comunidade católica clandestina, apoiam o acordo. Isto demonstra dois pontos a) não há nenhuma oposição da China em relação ao acordo e b) o Governo chinês não está interessado em acabar com a comunidade católica clandestina.
– Como é que será gerida a questão de Taiwan? Quando e como irá o Vaticano trocar Taipé por Pequim nas relações diplomáticas?
F.S – Penso que não há problema com Taiwan nesta situação. Foram precisos seis anos para que os Estados Unidos normalizassem as relações diplomáticas com Pequim após os primeiros encontros. Não tenho a certeza de quantos anos serão precisos no caso do Vaticano. Eu penso, que ambos não quererão fazer algo para intimidar Taiwan. O que acontecerá no futuro, não sei.

José Carlos Matias 05.10.2018

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
Opinião

Liberalismo selvagem

Opinião

A Carne De Porco É Cara? Criemos Porcos!

Opinião

Pedido de Compensação Americano Terá Lugar Amanhã

Opinião

O caminho da montanha

Assine nossa Newsletter