A VISÃO DO PETRÓLEO - Plataforma Media

A VISÃO DO PETRÓLEO

 

Em 10 anos, o Brasil vai entrar no clube dos grandes produtores de petróleo

 

O novo Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE), com projeções para 2023, estima que, na próxima década, o Brasil entrará no rol dos grandes exportadores mundiais de petróleo. A produção nacional de petróleo deverá subir para 5 milhões de barris por dia (bpd), dos quais dois terços corresponderão ao pré-sal.

Em julho passado, a produção de petróleo do Brasil atingiu 2,267 milhões de barris diários, de acordo com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).  O PDE foi divulgado hoje (10) pela  Empresa de Pesquisa Energética (EPE), vinculada ao Ministério de Minas e Energia,

Como a demanda decenal é projetada em 3,5 milhões de bpd no final do período, o excedente gerado de 1,5 milhão de bpd será direcionado para a exportação, segundo os técnicos da EPE. O estudo ficará em consulta pública no ministério até o dia 5 de outubro próximo.

Com base nas atividades de exploração e produção de petróleo previstas para os próximos dez anos, a EPE estimou que haverá a criação de 75 mil empregos diretos no pico das atividades, em 2015;  geração de 100 mil empregos indiretos, englobando outras atividades da cadeia produtiva do petróleo; e arrecadação para  estados e municípios de cerca de R$ 259 bilhões na década.

Entretanto, o presidente da EPE, Maurício Tolmasquim, anunciou que o Brasil será o único grande exportador de petróleo com uma matriz energética limpa.

Tolmasquim disse que as fontes renováveis deverão manter a participação do país na matriz energética em cerca de 42%, superando a média mundial de 13% e mesmo a dos países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), de 9%.

O PDE prevê que a participação das fontes renováveis na capacidade de geração elétrica do Sistema Interligado Nacional (SIN) permanecerá em torno de 84%, destacando a expansão do parque eólico (geração de energia a partir dos ventos) de 3%, em 2014, para 11,5%, em 2023.

Em relação à geração hidrelétrica, embora o estudo aponte perda de participação na matriz de 66,9% para 59,7% no período de dez anos,  ainda haverá um crescimento  de mais de 28 mil megawatts de capacidade.  Já as fontes não renováveis deverão mostrar redução na matriz energética, passando  de 17%, em 2014, para 16,2%, em 2023.

O PDE projeta um volume de investimentos  na expansão de energia geral no Brasil  de R$ 1,2 trilhão na próxima década. Do total, 62% serão associados à exploração e produção de petróleo e gás natural, 24% caberão ao setor elétrico e 14% serão a soma dos investimentos nas áreas de derivados de petróleo e biocombustíveis.

Em relação  ao etanol, o  PDE 2023 prevê que a produção crescerá cerca de 75% em dez anos, subindo de 27 bilhões de litros, em 2014, para algo em torno de 48 bilhões de litros, em 2023. Para o gás natural, a projeção decenal é um aumento de 150% na produção líquida potencial, que subirá para 134 milhões de metros cúbicos diários. Já o consumo total de gás natural deverá evoluir à média de 3,7% ao ano nos próximos dez anos, alcançando 128 milhões de metros cúbicos por dia, em 2023.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter