GUINÉ-BISSAU PROMOVE-SE NO DUBAI - Plataforma Media

GUINÉ-BISSAU PROMOVE-SE NO DUBAI

 

A Guiné-Bissau vai levar 17 projetos de desenvolvimento públicos e privados para a cimeira de captação de investimentos nos dias 09 e 10 deste mês, no Dubai, disse aos jornalistas o presidente do Parlamento guineense, Cipriano Cassamá.

Numa conferência de imprensa segunda-feira à noite, momentos antes de embarcar para o Dubai, Cipriano Cassamá informou que vai em representação do chefe de Estado guineense, José Mário Vaz, que não estará presente por razões de agenda.

A cimeira convocada pelo emir do Dubai Mohammed Bin Rashid Al Maktoum para permitir nomeadamente a que países da União Económica e Monetária da Africa Ocidental (UEMOA, da qual a Guiné-Bissau faz parte) apresentem seus projetos de desenvolvimento aos investidores árabes sobretudo os do Dubai.

Além do presidente do Parlamento, a delegação da Guiné-Bissau é composta pelo ministro da Economia e Finanças, Geraldo Martins, vice-presidente da Camara do Comercio, Abel Incada e dois empresários.

Segundo Cipriano Cassamá, o país leva ao Dubai 17 projetos (entre públicos e privados) com destaque para os projetos de construção da ponte sobre o rio Farim, introdução de um cabo submarino, alargamento do aeroporto internacional de Bissau, nos domínios da agricultura e turismo. “Será uma oportunidade única para a Guiné-Bissau vender uma nova imagem de si mesma e ao mesmo tempo apresentar-se aos investidores do mundo árabe”, defendeu o presidente do Parlamento guineense.

Fonte da Câmara do Comercio, Indústria, Agricultura e Serviços (CCIAS) guineense disse à Lusa que a Guiné-Bissau, ao contrário dos restantes sete países da UEMOA, “não levará projetos substanciais”.

O Senegal, por exemplo, irá apresentar na cimeira de captação de investimentos do Dubai entre 25 a 30 projetos, adiantou a fonte, lembrando que os investidores estarão abertos a analisar ideias com orçamentos a partir de um milhão de dólares americanos. Fazem parte da UEMOA o Benin, Burkina Faso, Costa do Marfim, Guiné-Bissau, Mali, Níger, Senegal e Togo.

 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter